Arquivo da categoria: Saúde

VIDA SAUDÁVEL – Ler rótulos é importante

Edulcorante, maltitol, aspartame e umectante. Você sabe o que são estas substâncias? Em alimentos ultraprocessados, ou seja, que passaram por vários processos até chegar ao consumidor, eles etão muito presentes. E ler o rótulo desses alimentos _e de todos os outros_ antes de consumi-los é muito importante. No rótulo também constam informações como a composição do produto, além de dados nutricionais. Mais avisos do fabricante.

Ler rótulos antes de comprar o produto ajuda a definir os gastos, além de informar a composição do produto

A relações públicas Patrícia Marques já lê rótulos há tanto tempo que virou hábito. O que ela ganha com isso? “Tem muito alimento que parece ser saudável e na verdade não tem nada de saudável. Eles escondem isso com a embalagem. Têm produtos que você acha que não têm açúcar, gordura hidrogenada e na verdade é uma bomba calórica. Eles se disfarçam”, destaca.

 ❤ Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número   011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 

Depois que começou a conhecer os ingredientes dos produtos, a Patrícia retirou alguns alimentos da dieta dela, principalmente os que têm sódio em excesso. “Leio por cuidado mesmo, pra saber o que estou consumindo. Quem não tem a curiosidade de saber o que são esses nomes acaba ingerindo algo que pode ser ruim pra saúde. Tem que ler o rótulo dos alimentos! Você cria esse hábito e te ajuda a fazer as escolhas certas. Se comer errado, tem consciência do que está consumindo”, ressalta.

Conhecer a origem dos alimentos

Conhecer a composição daquilo que comemos é ainda mais importante para quem tem algum tipo de alergia alimentar. É o caso do fotógrafo Maurício Zanin, que não pode comer arroz ou derivados. Para evitar transtornos, há anos ele passou a ler os rótulos antes de comer qualquer coisa. “Tem uma quantidade de ingredientes colossal que pode te fazer mal e você não percebe. E você só vai saber quando tem uma reação alérgica forte. A partir de então, eu, minha mãe, minha esposa, antes de comer, lemos o rótulo”, conta.

Zanin lembra que há alguns anos os rótulos eram pouco interessantes e não traziam tantas informações como hoje. A legislação trouxe exigências para a indústria alimentícia. “Ainda têm aqueles mais claros e com letras pequenas. Ai se eu não consigo ler o rótulo eu não como o alimento. Imagine antes, quando não tínhamos o rótulo, quantas crianças não morreram de alergia sem saber o motivo”, lembra o fotógrafo.

A escolha dos alimentos e como ler o rótulo

A coordenadora de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Michele Lessa, aconselha que criemos o hábito de ler as embalagens dos produtos. “O rótulo nos permite identificar entre os alimentos, qual deles têm menos sódio, menos açúcar, menos gordura. Quais têm ou não conservantes, de preferência os que não tenham. Se têm ou não glúten, para aquelas pessoas quem têm doença celíaca. O rótulo nos permite identificar se o produto está vencido ou não, quando observamos o prazo de validade do alimento”.

Outra dica da Michele é evitar alimentos com aditivos, edulcorantes e conservantes. “Quanto mais dessas substâncias que têm nomes esquisitos, pouco familiares, que não temos em casa, menos saudável o alimento é. Por isso precisamos optar por produtos orgânicos e preferir alimentos in natura ou minimamente processados. Além de limitar o consumo de alimentos processados e evitar os ultraprocessados”, ressalta.

Cabem às empresas que produzem alimentos se adequarem às normas de rotulagem dos produtos. É possível denunciar embalagens que não seguem a legislação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pelo email ouvidoria@anvisa.gov.br, pelo escritório da Vigilância Sanitária mais próxima, direto n Procon ou Ministério Público.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções; links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Imagens dos sites das empresas citadas. Com informações do blog Saúde, do Ministério da Saúde.
Anúncios

VACINAS ATRASADAS – DE GRAÇA – Amanhã é dia de imunizar crianças e adolescentes até 14 anos

Atenção, pais, tios e até avós: amanhã, dia 16 de setembro, é o “Dia D” da vacinação de crianças e adolescentes até 15 anos incompletos. Os postos de saúde em todo país estarão abertos amanhã, sábado, para a Campanha de Multivacinação que tem como objetivo imunizar contra doenças que ainda não estão eliminadas no Brasil e, portanto, representam riscos para quem não estiver vacinado, informa o Ministério da Saúde.

Mãe leva menina para se vacinar em posto do SUS (foto Agência Brasil)

Quem não puder ir com filhos, sobrinhos, afilhados e netos não deve se desesperar. O governo esclarece que até o dia 22 deste mês (sábado), estarão disponíveis nos postos de saúde 13 vacinas para crianças até nove anos e oito vacinas para adolescentes de 10 a 15 anos.  Será o último dia da Campanha lançada pelo ministro Ricardo Barros, em Brasília.

Baixe as vacinas disponíveis e como devem ser tomadas no final do post

❤ Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! ❤
Cartaz da Campanha de Multivacinação

Neste ano, serão convocados mais de 47 milhões de crianças menores de cinco anos, crianças de nove anos e também adolescentes de 10 a 15 anos incompletos para atualizarem o calendário vacinal. Mais da metade (53%) desse público já deveriam estar com o seu calendário de vacinação completo. Como se vê, nem todos foram procurar vacinas para se proteger.

A campanha vai rolar em 36 mil postos fixos de vacinação e envolver 350 mil profissionais de saúde. Além do envio de 143,9 milhões de doses de vacina de rotina, o Ministério da Saúde ainda distribuiu aos postos de saúde 14,8 milhões de doses extras de 15 vacinas para a campanha.

Além disso, o Ministério da Saúde planeja instituir um dia nacional de vacinação nas escolas. “Pretendemos avançar ainda mais na conscientização dos pais para a importância da vacinação de crianças e adolescentes. Só com essa conscientização é que a população brasileira estará protegida de uma série de doenças,” enfatiza o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Crianças não vacinadas

As crianças somente estarão protegidas com calendário de vacinação em dia. Por isso, o Ministério quer, com a mobilização, reforçar o acesso às vacinas, alertando estados e municípios da importância de manter elevadas coberturas vacinais, evitando o reaparecimento de doenças já controladas ou mesmo eliminadas no país.

Dados sobre vacinação recomendada para crianças ao nascer ou menores de completarem um ano, de acordo com os dados do Programa Nacional de Imunizações (PNI), apontam que 760 mil crianças ainda não foram vacinadas com BCG; 950 mil com a hepatite B; 470 mil crianças ainda não foram vacinadas com pneumocócica e rotavírus.

Ainda para esse grupo, 240 mil crianças não foram imunizadas com a vacina de meningite C. Já, a penta e poliomielite, também apresentam um grande números de crianças sem vacinação, são 320 mil crianças não vacinadas para a penta e 790 crianças não vacinadas para polio.

Dentre as recomendadas para crianças de um ano, estão as vacinas tríplice, com 150 mil crianças ainda por vacinar, pneumocócica, com 470 mil crianças por vacinar e meningite C com 180 mil crianças ainda não vacinadas.

Menino recebe vacina contra HPV (Foto Agência Brasil)

Para o grupo de vacinas recomendadas para crianças com 15 meses – hepatite A, DTP, Pólio e tríplice viral/Tetra – são 840 mil crianças sem vacina para hepatite A, 1,1 milhão para DTP, 800 mil para Pólio e 707 mil crianças sem vacina para tríplice viral.

Adolescentes não vacinados

A situação é mais crítica nas vacinas para adolescentes. Na meningocócica C, por exemplo, são 5,9 milhões de adolescentes de ambos os sexos na faixa de 12 e 13 anos ainda não se vacinaram. O mesmo ocorre na vacina de HPV. São 73,6% das meninas de 9 a 15 anos vacinas com a primeira dose e apenas 47% com duas doses. Já entre os meninos, 23,6% de adolescentes do sexo masculino foram vacinados aos 12 e 13 anos. Outra vacina para adolescentes com baixas coberturas é para a hepatite B, em 2016, não foram vacinados 1,3 milhão de jovens.

Também a vacina de febre amarela, que teve surto recentemente finalizado pelo Ministério da Saúde, tem estimativa de cerca de 2,4 milhões de pessoas vacinadas abaixo dos 14 anos.

Frasco de vacina contra a gripe (foto Marcelo Camargo, Agência Brasil)

Embora ainda existam crianças e adolescentes não vacinados, o número estimado de não vacinados não pode ser somado, já que as crianças ou adolescente podem não ter sido vacinados para mais de uma doença.

Gripe ou influenza

A Multivacinação também é uma oportunidade para municípios que ainda tenham vacina contra influenza continuem a vacinar o público-alvo da campanha (menores de 15 anos).

Dê uma checada na tabela preparada pelo Ministério da Saúde _e no final do post, baixe os arquivos com explicações de como devem ser tomadas e contra-indicações:

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação do Adolescente
BCG – ID Hepatite B
Hepatite B (mantida dose ao nascer) dT (Dupla tipo adulto)
Penta (DTP/Hib/Hep B) Febre amarela
VIP (Vacina Inativada Poliomielite) Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba)
VOP (vacina oral contra pólio) dTpa
VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano) HPV
Vacina Pneumocócica 10 valente Vacina meningocócica conjugada tipo C
Vacina febre amarela
Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba)
DTP (tríplice bacteriana)
Vacina meningocócica conjugada tipo C
Tetraviral (Sarampo, rubéola, caxumba, varicela)
Hepatite A

  VACINAS DISPONÍVEIS para crianças de 7 anos a adolescentes até 15 anos

  VACINAS DISPONÍVEIS – Crianças menores de 7 anos

vale mais já publicou:

 FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

: arrow: FEBRE AMARELA – Imagens e frases de prevenção para WhatsApp 📱

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Com a Agência Saúde.

ZIKA – Governo vai ampliar atendimento à crianças com microcefalia

Boa notícia para todas as famílias que têm bebês nascidos com microcefalia causada pelo vírus da Zika em grávidas. O Ministério da Saúde anunciou ontem que vai investir R$ 27 milhões para reforçar o atendimento e a rede de cuidado a essas crianças. Serão destinados cerca de R$ 2,2 mil de recursos para cada criança investigada. A ação visa promover ações de cuidado e organização de toda a rede assistencial para atender as diversas necessidades das crianças.

Cena de websérie do Ministério da Saúde sobre a microcefalia

Ricardo Barros, ministro da Saúde, explicou as ações do governo:

  • ampliar e qualificar os serviços na Atenção Básica, por meio dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs);
  • avaliar os 5,3 mil casos confirmados e em investigação em todo o país;
  • fortalecer as ações de vigilância.

Para quem está envolvido com famílias com bebês nessa situação, o governo preparou uma série de vídeos para a Internet com 16 episódios com histórias de pessoas impactadas pelos serviços oferecidos pelo SUS.

O primeiro é emocionante. Veja só:

Detalhes

Do total anunciado, R$ 15 milhões serão repassados para 4.143 equipes de Núcleo de Apoio à Saúde da Família que possuam profissionais de fisioterapia. Os valores serão destinados à aquisição de kits para reforçar a estimulação precoce, como colchonetes, bolas, brinquedos que estimulam os sentidos e a coordenação motora, trena antropométrica, martelo de reflexo, entre outros materiais. Esses são os serviços mais próximos das famílias.

Também para reforçar a continuidade da assistência às crianças vítimas da síndrome congênita associada ao Zika, o Ministério da Saúde repassará R$ 11,8 milhões aos Estados e municípios com o objetivo de fortalecer os serviços de avaliação, diagnóstico e acompanhamento dos 5,3 mil casos confirmados e em investigação neste momento.

Mosquito que transmite a Zika,  dengue e febre Chikungunya, Aedes aegypti, durante picada; foto Sanofi Pasteur, agosto de 2012

Atualmente, a rede de reabilitação em todo o país conta com 2.323 serviços de reabilitação e estimulação credenciados no SUS, com 190 Centros Especializados em Reabilitação (CERs), 33 Oficinas Ortopédicas, 238 serviços de reabilitação em modalidade única e 1.862 serviços de reabilitação credenciados pelos gestores locais.

Entre 2015 e 2017 foram registrados 14.577 casos e 883 óbitos causados pela síndrome. Em agosto deste ano, de acordo com o novo boletim epidemiológico, 20% dos casos foram confirmados, 21% permanecem em investigação e 44% foram descartados. Os casos de microcefalia vêm diminuindo desde maio de 2016.

MEDICAMENTO – No início de setembro, o Ministério da Saúde incorporou um novo e moderno medicamento para o controle de convulsões em pacientes com microcefalia decorrente de infecção pelo vírus Zika.  Estará disponível aos pacientes do SUS em até 180 dias.

vale mais publicou:

+ ZIKA – Cartilha ensina prevenção e cuidados com grávidas e recém-nascidos

+ ZIKA, DENGUE – Berço com mosquiteiro protege bebês e crianças

vale mais já abordou a importância da prevenção nestes posts:

+ ZIKA, DENGUE – Mosquiteiro garante sono protegido do Aedes aegypti

+ VÍRUS ZIKA, DENGUE – Ataque de repelente contra o Aedes aegypti

+ Helloou!! Saiba se prevenir contra a dengue

Saiba mais como se prevenir contra a Zika, dengue e outras doenças causadas pelo Aedes aegypti acompanhando o blog. Previna-se!

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções.

FEBRE AMARELA – Vacina é liberada para todas as cidades do Rio de Janeiro

Tem mudança no esquema contra febre amarela no Rio de Janeiro. A partir de agora, todos os 92 municípios do Estado, mesmo os que ainda não registraram casos da doença transmitida pelos mosquitos Sabethes e Haemagogus, vão oferecer vacinas para a população.

Funcionária de posto de vacinação no Rio de Janeiro checa documento de quem está na fila para se imunizar contra febre amarela, foto Tânia Rêgo/Agência Brasil

A imunização contra essa doença estará disponível em todas as unidades de saúde a partir do próximo sábado (8), quando haverá o “Dia D contra a Febre Amarela”, informou o  secretário estadual de Saúde do Rio, Luiz Antônio de Souza Teixeira.

➡ FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

Caixa com frascos para 5 doses de vacina contra febre amarela produzida pela unidade Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz, foto Bernardo Portella

O ministro da saúde, Ricardo Barros, afirmou durante o anúncio da ampliação da campanha, anteontem: “O desafio, agora, é que a população vá se vacinar nos postos”.  Ele lembrou a febre amarela é endêmica em 19 estados brasileiros, que recebem doses regularmente para manter cobertura vacinal da população.

: arrow: FEBRE AMARELA – Imagens e frases de prevenção para WhatsApp 📱

O Estado do Rio de Janeiro já recebeu 6,9 milhões de doses contra a doença em 2017. Receberá mais 1,5 milhão de doses neste mês e 500 mil doses por mês até atingir a totalidade da população-alvo. Depois dessa fase, a vacinação entrará no calendário regular, informou o ministro.

“O Rio de Janeiro não fazia parte desses estados. Passa agora a ser incluído entre os que receberão esta dose inicial, de cobertura de até 90% da população, que é a meta, e depois, anualmente, receberá novas doses para manter a cobertura vacinal”, explicou Barros.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Com a Agência Brasil.

BOA NOTÍCIA – Meninos de 11 a 15 anos incompletos podem se vacinar gratuitamente contra HPV

Boa notícia: a partir de agora, a vacina contra HPV passa a ser ofertada para pré-adolescentes e adolescentes do sexo masculino de 11 até 15 anos incompletos (14 anos, 11 meses e 29 dias). Também terão direito homens e mulheres transplantados e oncológicos em uso de quimioterapia e radioterapia. Além disso, cerca 200 mil crianças e jovens, de ambos os sexos, de 9 a 26 anos vivendo com HIV/aids, também podem se vacinar contra HPV. O anúncio das mudanças foi feito ontem pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Meninos entre 11 e 15 anos incompletos podem se vacinar contra HPV (Foto Agência Brasil)

A ampliação da faixa etária na população masculina pelo Ministério da Saúde já foi comunicada às secretarias estaduais de saúde de todo o país. Tem como objetivo proteger mais cerca de 3,3 milhões de adolescentes.

 Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!

A vacina contra o HPV para os meninos passou a ser disponibilizada no SUS em janeiro deste ano para meninos de 12 até 13 anos. Até o ano passado, era feita apenas em meninas.

O Ministério da Saúde informa que a meta para 2017 é vacinar 80% dos 7,1 milhões de meninos de 11 a 15 anos e 4,3 milhões de meninas de 9 a 15 anos.

O ministro afirmou que uma das principais ações para alcançar essa meta é o Programa Saúde na Escola, parceria do Ministério da Saúde com o Ministério da Educação. “É um de nossos grandes aliados nessa frente. Com esse projeto, estamos convocando toda a comunidade escolar, pais e educadores, a atualizarem as cadernetas de vacinação destes jovens”, afirmou o ministro.

Os efeitos da vacina contra HPV em anúncio do Ministério da Saúde

Como exemplo bem sucedido desta iniciativa, o ministro citou o Estado de Santa Catarina e o município de Niterói que conseguiram, por meio de uma ampla mobilização nas escolares, ampliarem as coberturas vacinais contra o HPV.

Para conscientizar os meninos na busca da vacina, o Ministério da Saúde planeja, para o próximo mês de julho, período de férias escolares, campanha direcionada a este público, com o intuito de aumentar a cobertura nessa população. Além disso, a vacina de HPV também fará parte do elenco de vacinas a serem ofertadas na Campanha de multivacinação que acontecerá no período de 11 a 22 de setembro. O Dia D da campanha de vacinação será dia 16 de setembro.

Esquema da vacina contra HPV – Meninos e meninas devem tomar duas doses da vacina HPV com intervalo de seis meses entre elas. Para as pessoas que vivem com HIV, a faixa etária é mais ampla (9 a 26 anos) e o esquema vacinal é de três doses (intervalo de 0, 2 e 6 meses). No caso dos portadores de HIV, é necessário apresentar prescrição médica.

Anúncio do governo federal da ampliação da faixa etária da vacinação contra HPV

A vacina disponibilizada no SUS é a quadrivalente e já é ofertada, desde 2014, para as meninas. Confere proteção contra quatro subtipos do vírus HPV (6, 11, 16 e 18), com 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema vacinal.

Para os meninos, a estratégia tem como objetivo proteger contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV. A definição da faixa etária para a vacinação visa proteger meninos e meninas antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus. Vale ressaltar que os cânceres de garganta e de boca são o 6º tipo de câncer no mundo, com 400 mil casos ao ano e 230 mil mortes. Além disso, mais de 90% dos casos de câncer anal e orofaringe são atribuíveis à infecção pelo HPV.

Nas meninas, o principal foco da vacinação é proteger contra o câncer de colo do útero, vulva, vaginal e anal; lesões pré-cancerosas; verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus. O HPV é transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto.

Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 
➡  GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções. Com Ministério da Saúde e Agência Brasil.

LIBEROU GERAL – Vacina contra gripe de graça para todos a partir de segunda

Ótima notícia: qualquer pessoa poderá se vacinar contra gripe pelo SUS _de graça, é claro_ a partir de segunda-feira (5 de junho) na campanha deste ano, informa o Ministério da Saúde. A campanha está prevista para se encerrar no próximo dia 9 (sábado).

Vacina contra gripe sendo aplicada na campanha do ano passado, em São Paulo, foto Eduardo Saraiva, governo do Estado de São Paulo

O governo federal decidiu disponibilizar a vacina contra gripe a toda a população enquanto durarem os estoques _e há cerca de 10 milhões de doses. Até hoje, sexta-feira (2 de junho), 41,3 milhões de pessoas do público-alvo foram imunizados.

 Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!

E para compartilhar a boa notícia no WhatsApp, Messenger, Telegram, Facebook, Twitter e email, pode baixar esta imagem abaixo:

O Amapá é o único estado que atingiu a meta até este momento, com 95,6% do público-alvo vacinado. A campanha foi prorrogada até o dia 9 de junho com o intuito de alcançar a meta de vacinação que, neste ano, é de 90%.

Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 
➡  GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

O ministro da saúde, Ricardo Barros, disse que houve poucos casos de influenza neste ano devido à baixa circulação do vírus. O governo comprou 60 milhões de doses mas houve pouca procura nos postos de saúde. “Para que não haja desperdício, já que estas vacinas só valem por um ano, decidimos estender a todas as faixas etárias, enquanto durarem os estoques”, destacou.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

A transmissão dos vírus da gripe ou influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz).

À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções. Com Ministério da Saúde.

GRIPE H1N1 2017 – Imagens de quem pode se vacinar de graça para WhatsApp

Quem ainda não se vacinou contra a gripe tem até 9 de junho (sábado) para se imunizar pelo Ministério da Saúde. A campanha de vacinação foi prorrogada porque nem todo mundo que pode se imunizar gratuitamente foi até os centros de saúde e UBSs. Até o último dia 25,  cerca de 35,1 milhões de brasileiros já se protegeram contra os vírus contemplados na vacina.

Para avisar família, amigos e pessoas que participam dos grupos no seu WhatsApp, baixamos estas imagens do Portal Brasil para você espalhar pelo celular. Só clicar, arquivar no celular ou PC e enviar pelas redes sociais que costuma usar.

Também pode compartilhar usando o Telegram, Messenger, linha do tempo do Facebook e Twitter, email e outras redes sociais.

Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 
➡  GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas
 Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!

Para relembrar, podem se vacinar na campanha de vacinação do Ministério da Saúde:

  • Crianças de seis meses a menores de cinco anos;
  • Gestantes;
  • Puérperas (até 45 dias após o parto);
  • Portadores de doenças crônicas não transmissíveis ou com outras condições clínicas especiais;
  • Professores das redes pública e privada;
  • Pessoas com 60 anos ou mais;
  • Trabalhadores de saúde;
  • Povos indígenas;
  • População privada de liberdade;
  • Funcionários do sistema prisional.

 

Frasco de vacina contra gripe em preparação, imagem de vídeo do Portal Brasil

Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis devem apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receber a vacina, sem a necessidade de prescrição médica. A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

➡ GRIPE H1N1 –  Lista de doenças crônicas que dão direito à vacina grátis para WhatsApp

“É importante que a população da campanha se vacine neste período para ficar protegida quando o inverno chegar. A vacina demora 15 dias para fazer efeito no organismo, por isso o Ministério da Saúde planeja a campanha antes do inverno, período de maior circulação dos vírus da influenza”, destaca a coordenadora Nacional do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

É importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe – especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações – devem procurar, imediatamente, o médico. Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções. Com Ministério da Saúde e Portal Arquivos, do governo federal.