Arquivo da tag: água acumulada

ZIKA – Saiba como se prevenir e todos os cuidados necessários

Você sabe quais os sintomas da doença causada pelo vírus Zika? Sabe que cuidados tomar? E se estiver grávida? E como evitar que filhos, sobrinhos, afilhados ou netos sejam picados pelo Aedes aegypti? O que fazer se achar que uma criança estiver com algum sintoma?

vale mais traz informações importantes para sua saúde e de toda a sua família!

Conheça a doença causada pelo vírus Zika com a OMS
Conheça a doença causada pelo vírus Zika com a OMS

Em primeiro lugar saiba que a doença é nova. É natural que não saibemos mesmo muita coisa sobre a doença que vem da picada do Aedes aegypti que carrega o vírus. Ah, não esqueça:  esse mosquito também transmite a dengue, febre Chikungunya e febre Amarela.

vale mais publicou:

+ VÍRUS ZIKA, DENGUE – Ataque de repelente contra o Aedes aegypti

+ ZIKA, DENGUE – Mosquiteiro garante sono protegido do Aedes aegypti

+ Helloou!! Saiba se prevenir contra a dengue

Todo mundo já sabe que a situação é grave. O alarme foi dado pela OMS – Organização Mundial de Saúde há poucos dias, que decretou situação de emergência de saúde pública mundial em relação ao vírus Zika.

Pudera, somente no Brasil já estão registrados cerca de 400 casos confirmados e cerca de 4 mil suspeitas de

Aedes Aegypti, por Jentavery *
O mosquito Aedes aegypti, por Jentavery*

bebês com microcefalia.

Que triste. Além disdo, um caso já foi detectado nos Estados Unidos. Agora está sob suspeita a transmissão da doença por contato sexual.

Em função dessa situação de crise lamentável, a OMS publicou um documento oficial com o máximo possível de dados sobre a doença.

Informação é poder!

Vamos lá às principais informações que todos devem saber:

  • As pessoas com a doença do vírus Zika têm, normalmente, febre ligeira, erupção da pele (exantema) e conjuntivite. Estes sintomas duram, normalmente, 2 a 7 dias.
  • Atualmente não existe qualquer tratamento específico nem vacina.
  • A melhor forma de prevenção é a proteção contra a picada do mosquito.

Sabe-se que o vírus circula em África, nas Américas, na Ásia e no Pacífico.

Sinais e sintomas

O período de incubação (o tempo que decorre desde a exposição até aos sintomas) da doença do vírus Zika não está estabelecido, mas é provavelmente de alguns dias.

Os sintomas são semelhantes a outras infecções por arbovírus, incluindo o dengue, e são a febre, erupções pele, conjuntivite, mialgia, artralgia, mal-estar e cefaleias. Estes sintomas são, normalmente, ligeiros e duram 2 a 7 dias.

Prevenção

A prevenção e o controle dependem da redução dos mosquitos através da redução das fontes (eliminação e modificação dos locais de proliferação) e da redução do contato entre os mosquitos e as pessoas.

Isso pode ser feito usando repelentes de insetos, usando vestuário (preferencialmente de cor clara) que cubram tanto o corpo quanto possível, usando barreiras físicas, como redes, portas e janelas fechadas e dormir sob a proteção de mosquiteiros.

Prevenção contra o vírus Zika, segundo a OMS
Prevenção contra o vírus Zika, segundo a OMS

É igualmente importante esvaziar, limpar e cobrir recipientes que possam conter água, tais como baldes, vasos ou pneus com flores, para eliminar os locais de reprodução dos mosquitos.

Deve dar-se especial atenção e ajuda às pessoas que possam não poder proteger-se devidamente, tais com as crianças, os doentes e os idosos.

+ ZIKA, DENGUE – Berço com mosquiteiro protege bebês e crianças

+ ZIKA, DENGUE – Livre sua casa do Aedes aegypti antes de viajar

Tratamento

A doença do vírus Zika é, normalmente, relativamente ligeira e não requer um tratamento específico.

As pessoas com o vírus Zika devem repousar bastante, beber muitos líquidos e tratar as dores e a febre com medicamentos comuns. Se os sintomas piorarem, devem procurar aconselhamento e cuidados médicos.

São orientações sérias que devem ser seguidas por todos, não importa idade e classe social.

O documento completo em português você pode ler aqui ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – A doença causada pelo vírus Zika.

Este infográfico animado da OMS é bem bacana. Dê uma olhada:

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana

 vale mais não se responsabiliza por alterações de informações colhidas em sites, órgãos e instituições de saúde públicos ou privados; Imagem com Licença Creative Commons - *28 de março de 2011
Anúncios

Helloou!!! Saiba se prevenir contra a dengue

Aedes aegypti, por Marcos Freitas *
O mosquito Aedes aegypti *

Um simples mosquito pode causar um estrago danado. Estamos falando da dengue, doença que se espalha de Norte a Sul do Brasil e que precisa ser controlada o mais rápido possível.

Quase todo mundo já sabe mas vale mais relembrar: a causa dessa verdadeira praga que alarma governos e população é o Aedes aegypti, transmissor da doença que não vê classe social, cor, sexo ou idade de ninguém. Ele ataca prá valer e se tiver infectado com o vírus da doença, aiaiai mesmo!

+ ZIKA, DENGUE – Ataque de repelentes contra o Aedes aegypti

Equipe aplica inseticida contra Aedes aegypti no centro de São Paulo **
Equipe aplica inseticida contra Aedes aegypti no centro de São Paulo **

O mosquito pode se proliferar em lugares abandonados ou dentro da sua casa! O lugar mais procurado pelo Aedes aegypti é água parada, acumulada _ambiente que ele elege para se reproduzir.

Isso mesmo, um bonito vaso de plantas com prato que precisa ser regado pode ser um ótimo lugar para o mosquito baixar e deixar larvas, tanto quanto pneus velhos largados por aí que também guardam pequenas poças de água.

Como até agora não criaram vacina contra a dengue, o melhor remédio é prevenir. Como? Afastar tudo o que possa atrair o mosquito em busca de proliferação. Desta forma espera-se que a doença seja controlada.

Mais: esse mesmo Aedes aegypti também é pode transmitir a Febre Chikungunya, doença que chegou ao Brasil com pessoas que a contraíram em outros países (saiba mais no final do post).

Soldado do Exército coloca tela de proteção em caixa d'água em Campinas ***
Soldado do Exército coloca tela de proteção em caixa d’água em Campinas ***

Mas não é todo Aedes aegypti que transmite a dengue. O mosquito se infecta com o vírus dessa doença ao picar uma pessoa que esteja com a doença _então o mosquito passa a transmitir o vírus.

O último relatório do governo federal informa que somente nos dois primeiros meses deste ano foram registrados 224,1 mil casos de dengue no Brasil (no mesmo período do ano passado, foram 85,4 _um acréscimo de 162%!

É um índice muito alto e os alertas e ações já começaram, incluindo a participação de soldados do exército na luta contra a prevenção.

A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul ensina como se prevenir

A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul ensina como se prevenir da dengue

Ainda não se sabe se é o suficiente. De nossa parte, não é complicado ajudar a evitar a propagação do mosquito.  Veja o que recomenda a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo:

  • Pratos de vasos de plantas devem ser preenchidos com areia;
  • Tampinhas, latinhas e embalagens plásticas devem ser jogadas no lixo e as recicláveis guardadas fora da chuva;
  • Latas, baldes, potes e outros frascos devem ser guardados com a boca para baixo;
  • Caixas d’água devem ser mantidas fechadas com tampas íntegras sem rachaduras ou cobertas com tela tipo mosquiteiro;
  • Piscinas devem ser tratadas com cloro ou cobertas;
  • Pneus devem ser furados ou guardados em locais cobertos;
  • Lonas, aquários, bacias, brinquedos devem ficar longe da chuva;
  • Entulhos ou sobras de obras devem ser cobertos, destinados ao lixo ou “Operação Cata-Bagulho”;
  • Cuidados especiais para as plantas que acumulam água como bromélias e espadas de São Jorge – ponha água só na terra.
Orientação da Prefeitura de São Paulo
Orientação da Prefeitura de São Paulo

Como identificar a dengue? Veja a ilustração acima na forma de leque que a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo preparou.

Para quem gosta de bastante detalhe, veja como a dengue se manifesta, segundo a Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul:

  • 99% das pessoas apresentam febre durante cerca de sete dias com início abrupto.
  • 60% têm dor de cabeça frontal severa, dores nas articulações e músculos.
  • 50% têm dor atrás dos olhos (retro-orbital);
  • 50% têm prostração, indisposição, perda de apetite, náusea e vômitos.
  • 25% têm manchas vermelhas no tórax e braços.
  • IMPORTANTE: a dengue se diferencia de resfriados e gripes por não apresentar sintomas respiratórios.

Importante mesmo é, se achar que pode estar com dengue ou alguma outra doença, procure um médico, um posto de saúde público ou mesmo hospital para receber atendimento.

O que é Febre Chikungunya (Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul)

Vasos sem prato, boa solução ****
Vasos sem prato, boa solução ****

A Febre Chikungunya é causada por um vírus do gênero Alphavirus, transmitida por mosquitos do gênero Aedes, sendo o Aedes aegypti (transmissor da dengue) e o Aedes albopictus os principais vetores.

Seus sintomas – febre alta, dor muscular e nas articulações, cefaléia e exantema – costumam durar de 3 a 10 dias, e sua letalidade, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, é rara e menos frequente que nos casos de dengue.

O tratamento é feito para combater os sintomas, com analgésico (paracetamol), hidratação adequada e repouso.

 Veja o mapa completo do Brasil com os últimos estudos do governo federal sobre a dengue e Chikungunya- neste link aqui.

*   *   *   *   *   *   *   *   *

vale mais 

 O blog para quem quer curtir coisas boas e economizar  

Siga a gente nas redes sociais  _ só clicar nos ícones abaixo:

facebook_logo_detail               Twitter_logo_blue               Instagram_Icon_Large               Google+

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços e ausência de produtos nas bancas, lojas, sites e/ou estoque, tampouco pela ausência de links que tenham sido alterados após a publicação no blog.

* Foto de Marcos Freitas  Creative Commons, julho de 2009 (CC BY-NC 2.0); ** Betina Carcuchinski  PMPA, Fotos Públicas (07/04/2015); *** Carlos Bassan, Prefeitura de Campinas, Fotos Públicas (01/04/2015); **** Erasmo Salomão, Ministério da Saúde, dezembro de 2014.