Arquivo da tag: doença

FEBRE AMARELA – Saiba horários e endereços de 43 postos com vacinas para moradores da zona norte de SP

Foi reforçada a luta contra a chegada da febre amarela em São Paulo. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) aumentou para 43 os postos de vacinação na zona norte da cidade, onde 13 parques continuam fechados. Ontem a rede Globo informou que ainda falta muita gente para se vacinar. Atenção, minha gente, porque a vacina é uma das melhores formas de proteção contra a doença.

Garota é vacinada contra febre amarela na zona norte de São Paulo, região onde foram encontrados macacos mortos pelo mosquito que transmite a doença*

Seis novos postos serão integrados aos 37 que já estão vacinando na região: UBS Vila Barbosa, UBS Vila Terezinha, UBS Jardim Icaraí, UBS Jardim Ladeira Rosa, UBS Vila Penteado e UBS Parque Edu Chaves. O objetivo é chegar a 56 unidades nos próximos dias.

O mosquito que transmite a Zika, dengue e febre Chikungunya, Aedes aegypti, durante picada, foto Sanofi Pasteur, agosto de 2012

A partir desta fase, algumas UBS já retornam aos horários normais de atendimento: das 7h às 17h ou das 7h às 18h. A maioria, porém, segue em horário estendido, das 7h às 19h.

👇🏾Lista dos postos e horários de funcionamento mais abaixo!👇🏾

A campanha teve início em 21 de outubro e vacinou 720.338 pessoas até esta terça-feira (7). A ação preventiva na zona Norte começou após um macaco Bugio ter sido encontrado morto no Parque do Horto, e os exames laboratoriais das amostras do primata terem confirmado a presença do vírus da doença. Até o momento, foram confirmadas três mortes de macaco por febre amarela no município.

Além disso, esta semana 800 agentes de saúde ambiental/combate a endemias começaram a intensificar a eliminação de criadouros nos imóveis localizados na faixa de 300 metros a partir da borda da mata da Serra da Cantareira.

O objetivo das ações de combate ao Aedes aegypti é evitar a urbanização da doença, algo que não acontece desde 1942. Os casos confirmados até o momento de febre amarela em macacos no município de São Paulo são do tipo silvestre, transmitido através da picada dos mosquitos Haemagogus e Sabethes, comuns em área de matas e vegetações à beira dos rios.

FEBRE AMARELA – Imagens e frases de prevenção para WhatsApp 📱

“Estamos trabalhando em diversas frentes para evitar os casos autóctones (quando a doença é adquirida dentro do município). Para isso, além da vacinação, é fundamental combater o vetor com ações nos criadouros. Além das ações dos nossos agentes, é importante que a população fique alerta para reconhecer e combater locais que possa acumular água parada, ambiente propício ao Aedes”, afirma o secretario de saúde, Wilson Pollara.

Além de potencial transmissor da febre amarela, o mosquito também é responsável pela proliferação da dengue, zika vírus e febre chikungunya.

Mosquito do gênero Sabethes, transmissor da febre amarela em áreas rurais do Brasil

Vacinação contra febre amarela

Locais de vacinação de segunda a sexta-feira das 7h às 17h
1. UBS Jardim Apuanã – R Hum, 19
2. UBS Jardim Fontalis – R. Antonio Picarollo, 41
3. UBS/ESF Jardim das Pedras – R. Clóvis Salgado, 220
4. UBS Jardim Flor de Maio – Av. Nova Paulista, 561

Locais de vacinação de segunda a sexta-feira das 7h às 18h
5. UBS Horto Florestal – R. Luis Carlos Gentile de Laet, 603, esquina com Rua do Horto, 603 – Horto Florestal
6. UBS Jardim Rosinha – Av. Dalva de Oliveira, 82 – Morro Doce
7. UBS Morada do Sol – R. Assis Brasil, 31, esquina com Rua Luiz Vaz de Camões – Sol Nascente
8. UBS Morro Doce – R. Alberto Calix, 55 – Jd. Canaã

Locais de vacinação de segunda a sexta-feira das 7h às 19h
9. UBS/AMA Jardim Peri – Av. Peri Rochetti, 914 – Jd. Peri
10. UBS Dona Mariquinha Sciascia – R. Dr. José Vicente, 39 – Tremembé
11. UBS Vila Dionísia – R. Chen Ferraz Falcão, 50, Vila Dionísia
12. UBS Lauzane Paulista – R. Valorbe, 80
13. UBS Conjunto Ipesp – Av. Profª. Virgilia Rodrigues Alves de Carvalho Pinto, 555
14. UBS Wamberto Dias Costa – R. Paulo César, 60
15. UBS Vila Aurora – R. Jean Buff, 126
16. AMA/UBS Parque Anhanguera – R. Pierre Renoir, 100 – Via Anhanguera Km 24,5 – Jd. Britânia
17. UBS/PSF Alpes do Jaraguá – Alameda das Limeiras, 46
18. AMA/UBS Integrada City Jaraguá – Estrada de Taipas, 1648
19. AMA/UBS Integrada Elísio Teixeira Leite – R. João Amado Coutinho, 400
20. UBS/PSF Jardim Panamericano – R. Barra da Forquilha, 38 F
21. UBS/PSF Jardim Rincão – R. Arroio da Palma, 67
22. UBS/PSF União das Vilas de Taipas – Av. Elísio Teixeira Leite, 7.703
23. UBS Recanto dos Humildes – Av. Pavão, 36A
24. UBS Vila Caiuba – R. Presidente Vargas, s/n
25. UBS Ilza Weltman Huztler – Rua Cel. Walfrido Carvalho s/nº
26. UBS Vila Espanhola – Av. João Santos Abreu ,650
27. UBS Vila Dionísia II – Rua 07 de Setembro,73
28. UBS Jardim Guarani – Rua Santana do Araçuai, 160
29. UBS Jardim Vista Alegre – Rua Ibiraiaras, 21
30. UBS Silmarya R.M. Souza – Rua Euvaldo Augusto Freire, 20
31. UBS Jardim Paulistano – Rua encruzilhada do Sul, 220
32. UBS Anhanguera I – Rua Marcela Alves de Cássia, 175
33. UBS/AMA Jardim Ipanema – Rua Pedro Ravara, 11A
34. UBS Jardim Joamar – R. Adalto Bezerra Delgado, 230
35. UBS Dr. Osvaldo Marçal – R. Antonio Joaquim de Oliveira, 220
36. UBS Vila Nova Galvão – R. Alpheu Luiz Gasparinni, 116
37. AMA/UBS Integrada de Perus – Praça Vigário João Gonçalves de Lima, 239
38. UBS Vila Barbosa – Avenida Mandaqui, 197
39. UBS Vila Terezinha – Rua Domingos Francisco Medeiros, 70
40. UBS Jardim Icarai – Rua Almir Dehar, 201
41. UBS Jardim Ladeira Rosa – Rua José da Costa Gavião, 150
42. UBS Vila Penteado – Rua Urupeva, s/nº
43. UBS Parque Edu Chaves – Avenida Edu Chaves, 1.197

Saiba ondem se localizam: ➡ Unidades de Referência para Vacinação contra Febre Amarela

FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

vale mais

Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Com a Secretaria de Saúde do Município de São Paulo, incluindo imagem de vídeo.
Anúncios

FEBRE AMARELA – Onde ficam as 37 UBS com vacinas para moradores da zona norte de SP

Aumentaram os locais para vacinação preventiva contra febre amarela na zona norte de São Paulo. Agora já são 37 UBS, Unidades Básicas de Saúde, que imunizam a população da região, orientada a se vacinar. Veja endereços e horários no final do post.
Fila para vacinação contra febre amarela na Unidade Básica de Saúde – UBS/AMA Jardim Peri, região norte. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil, Fotos Públicas 25 outubro de 2017

Nesta primeira fase, a prioridade da vacinação é para pessoas que residam em até 500 metros no entorno do Parque do Horto. Na segunda, o raio de abrangência será estendido para 1.000 (mil) metros do Horto Florestal e a terceira, ampliada para toda a zona Norte.

A febre amarela está preocupando a população e autoridades em São Paulo desde que macacos foram encontrados mortos em parques da zona norte da cidade.

Mais outras UBSs devem entrar nesse esquema de vacinação preventiva até atingir todas da região ou, em caso de nova ocorrência, será feita gradualmente ao longo da semana e somada às unidades que já iniciaram a imunização desde sábado  passado (dia 21).

Caixa com frascos para 5 doses de vacina contra febre amarela produzida pela unidade Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz, foto Bernardo Portella

A dose não está indicada para gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e pessoas imunodeprimidas, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas (portadores de Lúpus, por exemplo). Em caso de dúvida, é importante consultar o médico.

Até esta quarta-feira (25), foram vacinadas 86.674 pessoas nos distritos de Anhanguera, Jaraguá e entorno dos parques do Horto e Estadual da Cantareira e em posto volante na associação de bairro da Vila Amélia, que fica na rua Tomé Afonso de Moura, 345.

“Quando falamos na cidade de São Paulo, estamos falando em milhões de pessoas. Estamos definindo as estratégias para o melhor atendimento à população, em especial aos moradores que estão mais próximos ao local dos eventos recentes de morte de primata não humano por febre amarela. Cada fase da vacinação foi definida de acordo com a situação epidemiológica e, a qualquer nova ocorrência que exija postura diferente da gestão, estas ações serão modificadas de acordo com a necessidade do momento epidemiológico”, explica Wilson Pollara, secretário municipal da Saúde de São Paulo.

A extensão do horário de funcionamento das unidades será informada tão logo seja concluído estudo sobre as necessidades de cada região, com divulgação específica à população local, inclusive com eventual abertura de unidades aos sábados e domingos.

Mosquito do gênero Sabethes, transmissor da febre amarela em áreas rurais*

A coordenadora do programa municipal de imunização da capital, Maria Lígia Nerger, explica que as pessoas que já tomaram a vacina em alguma fase da vida não precisam de reforço. “A Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam apenas uma dose da vacina para prevenção contra a febre amarela: é o suficiente para proteger contra a doença.”

A vacinação seguirá até que todo o público-alvo esteja imunizado. As ações de rotina seguem nas unidades que normalmente já realizam vacinação para a febre – veja endereços no final do post.

Unidades Básicas de Saúde com Vacinação contra febre amarela
Horário: das 8h às 18h

1. UBS/AMA Jardim Peri – Av. Peri Rochetti, 914 – Jd. Peri
2. UBS Horto Florestal – R. Luis Carlos Gentile de Laet, 603, esquina com rua do Horto, 603 – Horto Florestal
3. UBS Dona Mariquinha Sciascia – R. Dr. José Vicente, 39 – Tremembé
4. UBS Vila Dionísia – R. Chen Ferraz Falcão, 50, Vila Dionísia
5. UBS Lauzane Paulista – R. Valorbe, 80
6. UBS Vila Aurora – R. Jean Buff, 126
7. UBS Conjunto Ipesp – Av. Profª. Virgilia Rodrigues Alves de Carvalho Pinto, 555
8. UBS Wamberto Dias Costa – R. Paulo César, 60
9. UBS Jardim Rosinha – R. Dalva de Oliveira, 82 – Morro Doce
10. UBS Morada do Sol – R. Assis Brasil, 31, esquina com Pça. Luiz Vaz de Camões – Sol Nascente
11. UBS Morro Doce – R. Alberto Calix, 55 – Jd. Canaã
12. AMA/UBS Parque Anhanguera – R. Pierre Renoir, 100 – Via Anhanguera Km 24,5 – Jd. Britânia
13. UBS/PSF Alpes do Jaraguá – Alameda das Limeiras, 46
14. AMA/UBS Integrada City Jaraguá – Estrada de Taipas, 1648
15. AMA/UBS Integrada Elísio Teixeira Leite – R. João Amado Coutinho, 400
16. UBS/PSF Jardim Panamericano – R. Barra da Forquilha, 38 F
17. UBS/PSF Jardim Rincão – R. Arroio da Palma, 67
18. UBS/PSF União das Vilas de Taipas – Av. Elísio Teixeira Leite, 7.703
19. UBS Recanto dos Humildes – Av. Pavão, 36A
20. UBS Vila Caiuba – R. Presidente Vargas, s/n
21. UBS Ilza Weltman Huztler – Rua Cel. Walfrido Carvalho s/nº
22. UBS Vila Espanhola – Av. João Santos Abreu ,650
23. UBS Vila Dionísia II – Rua 07 de Setembro,73
24. UBS Jardim Guarani – Rua Santana do Araçuai, 160
25. UBS Jardim Vista Alegre – Rua Ibiraiaras, 21
26. UBS Silmarya R.M. Souza – Rua Euvaldo Augusto Freire, 20
27. UBS Jardim Paulistano – Rua encruzilhada do Sul, 220
28. UBS Anhanguera I – Estrada Turística do Jaraguá, 3.680
29. UBS/AMA Jardim Ipanema – Rua Pedro Ravara, 11A
30. UBS Jardim Apuanã – R Hum, 19
31. UBS Jardim Fontalis – R. Antonio Picarollo, 41
32. UBS/ESF Jardim das Pedras – R. Clóvis Salgado, 220
33. UBS Jardim Flor de Maio – Av. Nova Paulista, 561
34. UBS Jardim Joamar – R. Adalto Bezerra Delgado, 230
35. UBS Dr. Osvaldo Marçal – R. Antonio Joaquim de Oliveira, 220
36. UBS Vila Nova Galvão – R. Alpheu Luiz Gasparinni, 116
37. AMA/UBS Integrada de Perus – Praça Vigário João Gonçalves de Lima, 239

Saiba ondem se localizam: ➡ Unidades de Referência para Vacinação contra Febre Amarela 

➡ FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

FEBRE AMARELA – Imagens e frases de prevenção para WhatsApp 📱

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Com a Secretaria de Saúde do Município de São Paulo.

VACINAS ATRASADAS – DE GRAÇA – Amanhã é dia de imunizar crianças e adolescentes até 14 anos

Atenção, pais, tios e até avós: amanhã, dia 16 de setembro, é o “Dia D” da vacinação de crianças e adolescentes até 15 anos incompletos. Os postos de saúde em todo país estarão abertos amanhã, sábado, para a Campanha de Multivacinação que tem como objetivo imunizar contra doenças que ainda não estão eliminadas no Brasil e, portanto, representam riscos para quem não estiver vacinado, informa o Ministério da Saúde.

Mãe leva menina para se vacinar em posto do SUS (foto Agência Brasil)

Quem não puder ir com filhos, sobrinhos, afilhados e netos não deve se desesperar. O governo esclarece que até o dia 22 deste mês (sábado), estarão disponíveis nos postos de saúde 13 vacinas para crianças até nove anos e oito vacinas para adolescentes de 10 a 15 anos.  Será o último dia da Campanha lançada pelo ministro Ricardo Barros, em Brasília.

Baixe as vacinas disponíveis e como devem ser tomadas no final do post

❤ Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! ❤
Cartaz da Campanha de Multivacinação

Neste ano, serão convocados mais de 47 milhões de crianças menores de cinco anos, crianças de nove anos e também adolescentes de 10 a 15 anos incompletos para atualizarem o calendário vacinal. Mais da metade (53%) desse público já deveriam estar com o seu calendário de vacinação completo. Como se vê, nem todos foram procurar vacinas para se proteger.

A campanha vai rolar em 36 mil postos fixos de vacinação e envolver 350 mil profissionais de saúde. Além do envio de 143,9 milhões de doses de vacina de rotina, o Ministério da Saúde ainda distribuiu aos postos de saúde 14,8 milhões de doses extras de 15 vacinas para a campanha.

Além disso, o Ministério da Saúde planeja instituir um dia nacional de vacinação nas escolas. “Pretendemos avançar ainda mais na conscientização dos pais para a importância da vacinação de crianças e adolescentes. Só com essa conscientização é que a população brasileira estará protegida de uma série de doenças,” enfatiza o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Crianças não vacinadas

As crianças somente estarão protegidas com calendário de vacinação em dia. Por isso, o Ministério quer, com a mobilização, reforçar o acesso às vacinas, alertando estados e municípios da importância de manter elevadas coberturas vacinais, evitando o reaparecimento de doenças já controladas ou mesmo eliminadas no país.

Dados sobre vacinação recomendada para crianças ao nascer ou menores de completarem um ano, de acordo com os dados do Programa Nacional de Imunizações (PNI), apontam que 760 mil crianças ainda não foram vacinadas com BCG; 950 mil com a hepatite B; 470 mil crianças ainda não foram vacinadas com pneumocócica e rotavírus.

Ainda para esse grupo, 240 mil crianças não foram imunizadas com a vacina de meningite C. Já, a penta e poliomielite, também apresentam um grande números de crianças sem vacinação, são 320 mil crianças não vacinadas para a penta e 790 crianças não vacinadas para polio.

Dentre as recomendadas para crianças de um ano, estão as vacinas tríplice, com 150 mil crianças ainda por vacinar, pneumocócica, com 470 mil crianças por vacinar e meningite C com 180 mil crianças ainda não vacinadas.

Menino recebe vacina contra HPV (Foto Agência Brasil)

Para o grupo de vacinas recomendadas para crianças com 15 meses – hepatite A, DTP, Pólio e tríplice viral/Tetra – são 840 mil crianças sem vacina para hepatite A, 1,1 milhão para DTP, 800 mil para Pólio e 707 mil crianças sem vacina para tríplice viral.

Adolescentes não vacinados

A situação é mais crítica nas vacinas para adolescentes. Na meningocócica C, por exemplo, são 5,9 milhões de adolescentes de ambos os sexos na faixa de 12 e 13 anos ainda não se vacinaram. O mesmo ocorre na vacina de HPV. São 73,6% das meninas de 9 a 15 anos vacinas com a primeira dose e apenas 47% com duas doses. Já entre os meninos, 23,6% de adolescentes do sexo masculino foram vacinados aos 12 e 13 anos. Outra vacina para adolescentes com baixas coberturas é para a hepatite B, em 2016, não foram vacinados 1,3 milhão de jovens.

Também a vacina de febre amarela, que teve surto recentemente finalizado pelo Ministério da Saúde, tem estimativa de cerca de 2,4 milhões de pessoas vacinadas abaixo dos 14 anos.

Frasco de vacina contra a gripe (foto Marcelo Camargo, Agência Brasil)

Embora ainda existam crianças e adolescentes não vacinados, o número estimado de não vacinados não pode ser somado, já que as crianças ou adolescente podem não ter sido vacinados para mais de uma doença.

Gripe ou influenza

A Multivacinação também é uma oportunidade para municípios que ainda tenham vacina contra influenza continuem a vacinar o público-alvo da campanha (menores de 15 anos).

Dê uma checada na tabela preparada pelo Ministério da Saúde _e no final do post, baixe os arquivos com explicações de como devem ser tomadas e contra-indicações:

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação do Adolescente
BCG – ID Hepatite B
Hepatite B (mantida dose ao nascer) dT (Dupla tipo adulto)
Penta (DTP/Hib/Hep B) Febre amarela
VIP (Vacina Inativada Poliomielite) Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba)
VOP (vacina oral contra pólio) dTpa
VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano) HPV
Vacina Pneumocócica 10 valente Vacina meningocócica conjugada tipo C
Vacina febre amarela
Tríplice viral (Sarampo, rubéola, caxumba)
DTP (tríplice bacteriana)
Vacina meningocócica conjugada tipo C
Tetraviral (Sarampo, rubéola, caxumba, varicela)
Hepatite A

  VACINAS DISPONÍVEIS para crianças de 7 anos a adolescentes até 15 anos

  VACINAS DISPONÍVEIS – Crianças menores de 7 anos

vale mais já publicou:

 FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

: arrow: FEBRE AMARELA – Imagens e frases de prevenção para WhatsApp 📱

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Com a Agência Saúde.

ZIKA – Governo vai ampliar atendimento à crianças com microcefalia

Boa notícia para todas as famílias que têm bebês nascidos com microcefalia causada pelo vírus da Zika em grávidas. O Ministério da Saúde anunciou ontem que vai investir R$ 27 milhões para reforçar o atendimento e a rede de cuidado a essas crianças. Serão destinados cerca de R$ 2,2 mil de recursos para cada criança investigada. A ação visa promover ações de cuidado e organização de toda a rede assistencial para atender as diversas necessidades das crianças.

Cena de websérie do Ministério da Saúde sobre a microcefalia

Ricardo Barros, ministro da Saúde, explicou as ações do governo:

  • ampliar e qualificar os serviços na Atenção Básica, por meio dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs);
  • avaliar os 5,3 mil casos confirmados e em investigação em todo o país;
  • fortalecer as ações de vigilância.

Para quem está envolvido com famílias com bebês nessa situação, o governo preparou uma série de vídeos para a Internet com 16 episódios com histórias de pessoas impactadas pelos serviços oferecidos pelo SUS.

O primeiro é emocionante. Veja só:

Detalhes

Do total anunciado, R$ 15 milhões serão repassados para 4.143 equipes de Núcleo de Apoio à Saúde da Família que possuam profissionais de fisioterapia. Os valores serão destinados à aquisição de kits para reforçar a estimulação precoce, como colchonetes, bolas, brinquedos que estimulam os sentidos e a coordenação motora, trena antropométrica, martelo de reflexo, entre outros materiais. Esses são os serviços mais próximos das famílias.

Também para reforçar a continuidade da assistência às crianças vítimas da síndrome congênita associada ao Zika, o Ministério da Saúde repassará R$ 11,8 milhões aos Estados e municípios com o objetivo de fortalecer os serviços de avaliação, diagnóstico e acompanhamento dos 5,3 mil casos confirmados e em investigação neste momento.

Mosquito que transmite a Zika,  dengue e febre Chikungunya, Aedes aegypti, durante picada; foto Sanofi Pasteur, agosto de 2012

Atualmente, a rede de reabilitação em todo o país conta com 2.323 serviços de reabilitação e estimulação credenciados no SUS, com 190 Centros Especializados em Reabilitação (CERs), 33 Oficinas Ortopédicas, 238 serviços de reabilitação em modalidade única e 1.862 serviços de reabilitação credenciados pelos gestores locais.

Entre 2015 e 2017 foram registrados 14.577 casos e 883 óbitos causados pela síndrome. Em agosto deste ano, de acordo com o novo boletim epidemiológico, 20% dos casos foram confirmados, 21% permanecem em investigação e 44% foram descartados. Os casos de microcefalia vêm diminuindo desde maio de 2016.

MEDICAMENTO – No início de setembro, o Ministério da Saúde incorporou um novo e moderno medicamento para o controle de convulsões em pacientes com microcefalia decorrente de infecção pelo vírus Zika.  Estará disponível aos pacientes do SUS em até 180 dias.

vale mais publicou:

+ ZIKA – Cartilha ensina prevenção e cuidados com grávidas e recém-nascidos

+ ZIKA, DENGUE – Berço com mosquiteiro protege bebês e crianças

vale mais já abordou a importância da prevenção nestes posts:

+ ZIKA, DENGUE – Mosquiteiro garante sono protegido do Aedes aegypti

+ VÍRUS ZIKA, DENGUE – Ataque de repelente contra o Aedes aegypti

+ Helloou!! Saiba se prevenir contra a dengue

Saiba mais como se prevenir contra a Zika, dengue e outras doenças causadas pelo Aedes aegypti acompanhando o blog. Previna-se!

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções.

FEBRE AMARELA – Vacina é liberada para todas as cidades do Rio de Janeiro

Tem mudança no esquema contra febre amarela no Rio de Janeiro. A partir de agora, todos os 92 municípios do Estado, mesmo os que ainda não registraram casos da doença transmitida pelos mosquitos Sabethes e Haemagogus, vão oferecer vacinas para a população.

Funcionária de posto de vacinação no Rio de Janeiro checa documento de quem está na fila para se imunizar contra febre amarela, foto Tânia Rêgo/Agência Brasil

A imunização contra essa doença estará disponível em todas as unidades de saúde a partir do próximo sábado (8), quando haverá o “Dia D contra a Febre Amarela”, informou o  secretário estadual de Saúde do Rio, Luiz Antônio de Souza Teixeira.

➡ FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

Caixa com frascos para 5 doses de vacina contra febre amarela produzida pela unidade Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz, foto Bernardo Portella

O ministro da saúde, Ricardo Barros, afirmou durante o anúncio da ampliação da campanha, anteontem: “O desafio, agora, é que a população vá se vacinar nos postos”.  Ele lembrou a febre amarela é endêmica em 19 estados brasileiros, que recebem doses regularmente para manter cobertura vacinal da população.

: arrow: FEBRE AMARELA – Imagens e frases de prevenção para WhatsApp 📱

O Estado do Rio de Janeiro já recebeu 6,9 milhões de doses contra a doença em 2017. Receberá mais 1,5 milhão de doses neste mês e 500 mil doses por mês até atingir a totalidade da população-alvo. Depois dessa fase, a vacinação entrará no calendário regular, informou o ministro.

“O Rio de Janeiro não fazia parte desses estados. Passa agora a ser incluído entre os que receberão esta dose inicial, de cobertura de até 90% da população, que é a meta, e depois, anualmente, receberá novas doses para manter a cobertura vacinal”, explicou Barros.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Com a Agência Brasil.

FEBRE AMARELA – 20 Perguntas e respostas importantes sobre a doença

A febre amarela continua um dos assuntos mais preocupantes em boa parte do país.

Para se informar ainda mais, neste post trazemos 20 perguntas e respostas sobre a doença e a vacina do Ministério da Saúde. A parte específica sobre imunização traz informações da coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues.

Caixa com vacinas contra a febre amarela produzidas pela Fiocruz

➡ FEBRE AMARELA –Saiba os sintomas e como se prevenir

1 – Qual é a diferença entre a febre amarela silvestre (FAS) e febre amarela urbana (FAU)?

A diferença entre elas é o vetor: na cidade a doença é transmitida pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito que transmite a dengue. Na mata, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus. Apesar disso, o vírus transmitido é o mesmo, assim como a doença resultante da infecção. Desde 1942, o Brasil não registra casos de febre amarela urbana.

2 – O que é a febre amarela silvestre (FAS)?

É uma doença infecciosa febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes), que pode levar à morte em cerca de uma semana, se não for tratada rapidamente. A doença é comum em macacos, que são os principais hospedeiros do vírus.

3 – Como a doença é transmitida?

A febre amarela silvestre é transmitida através da picada de mosquitos Haemagogus e Sabethes, que vivem em matas e vegetações à beira dos rios. Quando o mosquito pica um macaco doente, torna-se capaz de transmitir o vírus a outros macacos e ao homem.

4 – Como a doença pode ser evitada?

A única forma de evitar FAS é através da vacinação. A vacina está disponível durante todo o ano nas unidades de cuidados de saúde de forma gratuita e deve ser administrada pelo menos 10 dias antes do deslocamento para áreas de risco. A vacina pode ser administrada após seis meses de idade e é válida por dez anos.

 👇 MAIS SOBRE VACINAS ABAIXO 👇

5 – Que lugares constituem áreas de risco?

Locais que têm matas e rios onde o vírus e seus hospedeiros e vetores ocorrem naturalmente são identificadas como áreas de risco. No Brasil, no entanto, a vacinação é recomendada para as pessoas a partir de 9 meses de idade (ver “Orientações para vacinação”) que residem ou se deslocam para os municípios que compõem a Área Com Recomendação de Vacina, conforme o mapa abaixo.

6 – Que época do ano a doença é mais comumente registrada?

Estudos têm demonstrado que a doença ocorre com maior freqüência nos meses de dezembro a maio. Esta é a estação das chuvas, quando há um aumento das populações de mosquitos, favorecendo a circulação do vírus.

7 – Qualquer pessoa está em risco de contrair febre amarela silvestre?

Sim. Qualquer pessoa, independentemente da idade ou sexo, que vive nas áreas endêmicas ou que visitam áreas endêmicas sem ter sido vacinada, pode ter a doença.

8 – Quanto tempo leva para que a doença se tornar aparente?

De três a seis dias após ter sido infectada, a pessoa apresenta os sintomas iniciais.

9 – Quais os sintomas da doença?

Os sintomas iniciais da febre amarela incluem o início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maioria das pessoas melhora após estes sintomas iniciais. No entanto, cerca de 15% apresentam um breve período de horas a um dia sem sintomas e, então, desenvolvem uma forma mais grave da doença. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20-50% das pessoas que desenvolvem doença grave podem morrer.

Rio de Janeiro – Postos de saúde do Rio de Janeiro têm longas filas em busca da vacinação contra a febre amarela. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

10 – O que você deve fazer se apresentar os sintomas?

Depois de identificar alguns desses sintomas, procure um médico na unidade de saúde mais próxima e informe sobre qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas, e se você observou mortandade de macacos próximo aos lugares que você visitou. Informe, ainda, se você tomou a vacina contra a febre amarela, e a data.

11 – Como a febre amarela silvestre é tratada?

Não há nenhum tratamento específico contra a doença. O médico deve tratar os sintomas, como dores no corpo e cabeça, com analgésicos e antitérmicos. Salicilatos devem ser evitados (AAS e Aspirina), já que seu uso pode favorecer o aparecimento de manifestações hemorrágicas. O médico deve estar alerta para quaisquer indicações de um agravamento do quadro clínico.

Importante: Somente um médico é capaz de diagnosticar e tratar corretamente a doença.

12 – A febre amarela silvestre é contagiosa?

A doença não é contagiosa, ou seja, não há transmissão de pessoa a pessoa, nem entre animais e pessoas. É transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da febre amarela.

Vacina:

13 – Qual o esquema vacinal recomendado pelo Ministério da Saúde para a febre amarela?

“Carla Domingues: O esquema da febre amarela é de duas doses, tanto para adultos quanto para crianças. As crianças devem receber as vacinas aos nove meses e aos quatro anos de idade. Assim, a proteção está garantida para o resto da vida. Para quem não tomou as doses na infância, a orientação é de uma dose da vacina e outra de reforço, dez anos depois da primeira. As recomendações são apenas para as pessoas que vivem ou viajam para as áreas de recomendação da vacina. A população que não vive na área de recomendação ou não vai se dirigir a essas áreas não precisa buscar a vacinação neste momento.

14 – No momento, com os casos confirmados no estado de Minas Gerais, há mudança na indicação da vacina contra a febre amarela?

Carla Domingues: Não há mudança no esquema de vacinação. Devem se vacinar contra a febre amarela apenas pessoas que moram nas áreas de recomendação da vacina ou que viajam para essas localidades e que estão com o esquema de vacinação incompleto, ou seja, quem não tomou as duas doses recomendadas pelo Ministério da Saúde. Para adultos que tomaram a primeira dose há menos de dez anos, também não há necessidade de adiantar a dose de reforço.

Orientações do Ministério da Saúde sobre vacinação contra febre amarela

15 – Para quem já tomou duas doses da vacina e mora nas áreas de recomendação, uma terceira dose significa mais proteção?
Carla Domingues: As duas doses são o suficiente para proteger durante toda a vida. Uma terceira dose não vai criar nenhuma proteção adicional. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda uma única dose para toda a vida. O Brasil, buscando uma maior segurança, adota o esquema de duas doses. Portanto, quem recebeu duas doses, na infância ou na fase adulta, já está devidamente protegido e não precisa buscar o serviço de saúde.

16 – E para quem perdeu o cartão de vacinação e não tem conhecimento da própria situação vacinal, qual a orientação?

Carla Domingues:
Quem perdeu o cartão de vacinação deve procurar o serviço de saúde que costuma frequentar e tentar resgatar o histórico. Caso isso não seja possível, a recomendação é iniciar o esquema normalmente. Portanto, pessoas a partir de cinco anos de idade que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação devem receber a primeira dose da vacina e um reforço, dez anos depois. Essa recomendação é apenas para as áreas de recomendação da vacina. Vale destacar a situação de saúde deve ser informada ao profissional de saúde, para que seja possível avaliar se há contraindicação.

17 – Quais são as contraindicações para a vacina da febre amarela?

Carla Domingues:
A vacina é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação para estes grupos, levando em conta o risco de eventos adversos.

18 – Qual a orientação para turistas estrangeiros que visitam as áreas de recomendação de vacina no Brasil?

Carla Domingues: Para turistas que forem se dirigir a uma área com recomendação de vacina – tanto estrangeiros quanto brasileiros – e que não completaram o esquema de duas doses, a recomendação é que seja vacinado pelo menos dez dias antes da viagem, que é o tempo que a vacina leva para criar anticorpos e a pessoa estar devidamente protegida. Quem tomou a primeira dose há menos de dez anos não precisa adiantar o reforço.

19 – No caso das crianças que vão iniciar o esquema, existe algum risco em receber a febre amarela junto com outras vacinas?

Carla Domingues: A vacina para febre amarela não deve ser aplicada ao mesmo tempo que a vacina tríplice viral (que protege contra sarampo, rubéola e caxumba) ou tetra viral (que protege contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela). Se a criança tiver alguma dose do Calendário Nacional de Vacinação em atraso, ela pode tomar junto com a febre amarela, com exceção da tríplice viral ou tetra viral. A criança que não recebeu a vacina para febre amarela nem a tríplice viral ou tetra viral e for atualizar a situação vacinal, a orientação é receber a dose de febre amarela e agendar a proteção com a tríplice viral ou tetra viral para 30 dias depois.”

20 – Onde posso obter mais informações sobre a febre amarela?

Mais informações sobre a doença podem ser obtidas nas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde de todo o país, e no Ministério da Saúde.

Você também pode ouvir a entrevista para a Web Rádio Saúde do diretor de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, sobre as dúvidas mais comuns sobre a doença:

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Informações de janeiro e março de 2017 divulgadas pelo Ministério da Saúde.

ZIKA, DENGUE E CHICUNGUNYA – Cartilha ensina crianças a combater Aedes aegypti

Olha só, agora assuntos sérios como zika, dengue e chikungunya podem ser melhor compreendidos por crianças através de uma cartilha feita pela Fiocruz, uma instituição do Ministério da Saúde que faz pesquisa e ciência para o bem do país e dos brasileiros.

Capa da cartilha, que, na linguagem de história em quadrinhos, ensina a prevenção de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti

“Os pequenos mosqueteiros contra dengue, zika e chikungunya” ensina meninas e meninos, através de história em quadrinhos, conceitos de prevenção e combate às doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti.
A cartilha foi elaborada em conceitos que promovem a saúde e que contribuem para a formação de cidadãos conscientes e responsáveis pela construção de ambientes saudáveis, informa a Fiocruz.

FEBRE AMARELA – Saiba os sintomas e como se prevenir

Os personagens Ana, Chico e João conduzem a história em uma linguagem própria para a garotada. Bom para ler sozinho ou junto com pai, mãe, tia, tio, padrinho e vizinho, por que não?

Na cartilha são apresentados conhecimentos, desafios e curiosidades sobre o mosquito Aedes aegypti. Tudo com a ajuda dos personagens Ana, Chico e João, que apresentam os hábitos e comportamentos do Aedes, principal mosquito vetor dos vírus da dengue, zika e chikungunya.

A cartilha inclui joguinhos como um caça-palavras para a criançada aprender sobre o mosquito Aedes

BARRADOS NO BAILE – Telas para janelas protegem contra mosquitos da zika, dengue e febre amarela

A cartilha é maneira e traz jogos como o dos 7 erros, uma ilustração para colorir e um jogo da memória.

Tudo para ajudar a despertar a curiosidade e o olhar da criançada para o conhecimento sobre o mosquito e os principais criadouros utilizados por ele para se multiplicar, além de reforçar as ações de prevenção, incluindo cuidados em casa.

“Sentíamos falta de um material como a cartilha, que objetiva trabalhar conceitos importantes com as crianças nas escolas e em suas casas, com os seus familiares”, afirma Nildimar Honório, do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários da Fiocruz.

ZIKA, DENGUE – Ataque de repelente contra o Aedes aegypti

Aedes Aegypti, por James Gathany*
Aedes Aegypti, por James Gathany*

Os coautores da cartilha são a pesquisadora Gerusa Gibson e o cartunista Manoel Mayrink. Foram seis meses de produção que ainda tiveram a colaboração de pesquisadores do IOC/Fiocruz, da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) e do Instituto Nacional de Infectologia (INI/Fiocruz) e ainda de profissionais da Secretaria Estadual de Saúde (SES) do Rio de Janeiro e da Universidade de São Paulo (USP).

“Também tivemos o apoio da Faperj e CNPq e contamos com a colaboração de profissionais da Creche Bertha Lutz, da Fiocruz, onde ocorreu o lançamento”.

Saber como manter a casa ou apartamento sem o mosquito Aedes aegypti é dever de todos, incluindo crianças

No Rio de Janeiro, a  cartilha será distribuída em escolas com apoio das secretarias municipais e Estadual de Educação. “A cartilha tem informações científicas, corretas e precisas, validadas por pesquisadores da área. E mesmo as crianças que ainda não dominam o processo de leitura e de escrita se beneficiam do conteúdo, quando pais e professores leem para elas e executam juntos as atividades”, afirma Nildimar.

Para ler a cartilha com a criançada no computador ou para imprimir e curtir os joguinhos no papel, clique aqui ➡ Os pequenos mosqueteiros contra a dengue, zika e chikungunya

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções; links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Imagens da cartilha. Com a Agência Fiocruz de Notícias