Arquivo da tag: H1N1

H1N1 2018 – Começa hoje campanha de vacinação contra gripe

Começa hoje a campanha de vacinação contra a gripe, ou Influenza. Até 1º de junho 54,4 milhões de pessoas em todo o país devem se imunizar. Como se sabe, um dos vírus mais perigosos, o A/H1N1, pode até causar morte. Então, a melhor forma de se prevenir é a vacina.

A campanha tem como astro ninguém menos que o rei Pelé e objetiva vacinar os chamados grupos prioritários, que são:

💉 Pessoas a partir de 60 anos;

💉 Crianças de seis meses aos menores de cinco anos;

💉 Gestantes e mulheres que tiveram filhos até 45 dias depois do parto (puérperas);

💉 Professores das redes pública e privada

💉 Povos indígenas;

💉 Presos e pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas;

💉 Funcionários do sistema prisional.

👉 ATENÇÃO – Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais também devem se vacinar. Este público deve apresentar prescrição médica no ato da vacinação. Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do Sistema Único de Saúde (SUS) deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a vacina, sem a necessidade de prescrição médica.

Para se vacinar logo e gratuitamente, procure o posto ou Unidade Básica de saúde.

No dia 12 de maio, quando ocorre a mobilização nacional, estarão abertos 65 mil postos de vacinação, sendo 37 mil de rotina e 28 mil volantes, com envolvimento de 240 mil pessoas. Também estarão disponíveis, para a mobilização, 27 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

O Ministério da Saúde alerta para que as pessoas se vacinem dentro do prazo da campanha para evitar gripe e seus possíveis agravamentos. É preciso que todos estejam devidamente protegidos antes do inverno chegar, já que a vacina precisa de 15 dias para garantir a proteção.

A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações ou, até mesmo, óbitos. Ela protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da OMS, (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). Neste ano, apenas a cepa da influenza A (H1N1) não foi alterada: A/Michigan/45/2015 (H1N1)pdm09; A/Singapore/INFIMH-16-0019/2016 (H3N2); e B/Phuket/3073/2013.

vale mais

Anúncios

BOA NOTÍCIA – Meninos de 11 a 15 anos incompletos podem se vacinar gratuitamente contra HPV

Boa notícia: a partir de agora, a vacina contra HPV passa a ser ofertada para pré-adolescentes e adolescentes do sexo masculino de 11 até 15 anos incompletos (14 anos, 11 meses e 29 dias). Também terão direito homens e mulheres transplantados e oncológicos em uso de quimioterapia e radioterapia. Além disso, cerca 200 mil crianças e jovens, de ambos os sexos, de 9 a 26 anos vivendo com HIV/aids, também podem se vacinar contra HPV. O anúncio das mudanças foi feito ontem pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Meninos entre 11 e 15 anos incompletos podem se vacinar contra HPV (Foto Agência Brasil)

A ampliação da faixa etária na população masculina pelo Ministério da Saúde já foi comunicada às secretarias estaduais de saúde de todo o país. Tem como objetivo proteger mais cerca de 3,3 milhões de adolescentes.

 Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!

A vacina contra o HPV para os meninos passou a ser disponibilizada no SUS em janeiro deste ano para meninos de 12 até 13 anos. Até o ano passado, era feita apenas em meninas.

O Ministério da Saúde informa que a meta para 2017 é vacinar 80% dos 7,1 milhões de meninos de 11 a 15 anos e 4,3 milhões de meninas de 9 a 15 anos.

O ministro afirmou que uma das principais ações para alcançar essa meta é o Programa Saúde na Escola, parceria do Ministério da Saúde com o Ministério da Educação. “É um de nossos grandes aliados nessa frente. Com esse projeto, estamos convocando toda a comunidade escolar, pais e educadores, a atualizarem as cadernetas de vacinação destes jovens”, afirmou o ministro.

Os efeitos da vacina contra HPV em anúncio do Ministério da Saúde

Como exemplo bem sucedido desta iniciativa, o ministro citou o Estado de Santa Catarina e o município de Niterói que conseguiram, por meio de uma ampla mobilização nas escolares, ampliarem as coberturas vacinais contra o HPV.

Para conscientizar os meninos na busca da vacina, o Ministério da Saúde planeja, para o próximo mês de julho, período de férias escolares, campanha direcionada a este público, com o intuito de aumentar a cobertura nessa população. Além disso, a vacina de HPV também fará parte do elenco de vacinas a serem ofertadas na Campanha de multivacinação que acontecerá no período de 11 a 22 de setembro. O Dia D da campanha de vacinação será dia 16 de setembro.

Esquema da vacina contra HPV – Meninos e meninas devem tomar duas doses da vacina HPV com intervalo de seis meses entre elas. Para as pessoas que vivem com HIV, a faixa etária é mais ampla (9 a 26 anos) e o esquema vacinal é de três doses (intervalo de 0, 2 e 6 meses). No caso dos portadores de HIV, é necessário apresentar prescrição médica.

Anúncio do governo federal da ampliação da faixa etária da vacinação contra HPV

A vacina disponibilizada no SUS é a quadrivalente e já é ofertada, desde 2014, para as meninas. Confere proteção contra quatro subtipos do vírus HPV (6, 11, 16 e 18), com 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema vacinal.

Para os meninos, a estratégia tem como objetivo proteger contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV. A definição da faixa etária para a vacinação visa proteger meninos e meninas antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus. Vale ressaltar que os cânceres de garganta e de boca são o 6º tipo de câncer no mundo, com 400 mil casos ao ano e 230 mil mortes. Além disso, mais de 90% dos casos de câncer anal e orofaringe são atribuíveis à infecção pelo HPV.

Nas meninas, o principal foco da vacinação é proteger contra o câncer de colo do útero, vulva, vaginal e anal; lesões pré-cancerosas; verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus. O HPV é transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto.

Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 
➡  GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções. Com Ministério da Saúde e Agência Brasil.

LIBEROU GERAL – Vacina contra gripe de graça para todos a partir de segunda

Ótima notícia: qualquer pessoa poderá se vacinar contra gripe pelo SUS _de graça, é claro_ a partir de segunda-feira (5 de junho) na campanha deste ano, informa o Ministério da Saúde. A campanha está prevista para se encerrar no próximo dia 9 (sábado).

Vacina contra gripe sendo aplicada na campanha do ano passado, em São Paulo, foto Eduardo Saraiva, governo do Estado de São Paulo

O governo federal decidiu disponibilizar a vacina contra gripe a toda a população enquanto durarem os estoques _e há cerca de 10 milhões de doses. Até hoje, sexta-feira (2 de junho), 41,3 milhões de pessoas do público-alvo foram imunizados.

 Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!

E para compartilhar a boa notícia no WhatsApp, Messenger, Telegram, Facebook, Twitter e email, pode baixar esta imagem abaixo:

O Amapá é o único estado que atingiu a meta até este momento, com 95,6% do público-alvo vacinado. A campanha foi prorrogada até o dia 9 de junho com o intuito de alcançar a meta de vacinação que, neste ano, é de 90%.

Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 
➡  GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

O ministro da saúde, Ricardo Barros, disse que houve poucos casos de influenza neste ano devido à baixa circulação do vírus. O governo comprou 60 milhões de doses mas houve pouca procura nos postos de saúde. “Para que não haja desperdício, já que estas vacinas só valem por um ano, decidimos estender a todas as faixas etárias, enquanto durarem os estoques”, destacou.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

A transmissão dos vírus da gripe ou influenza acontece por meio do contato com secreções das vias respiratórias, eliminadas pela pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. Também ocorre por meio das mãos e objetos contaminados, quando entram em contato com mucosas (boca, olhos, nariz).

À população em geral, o Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como medida de prevenção para evitar a doença, como: lavar as mãos várias vezes ao dia; cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar; evitar tocar o rosto; não compartilhar objetos de uso pessoal; além de evitar locais com aglomeração de pessoas.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções. Com Ministério da Saúde.

GRIPE H1N1 2017- Clínicas de vacinação se espalham por 21 Estados e em Brasília

Outono está esfriando e já tem gente espirrando e tossindo. As clínicas particulares de vacinação podem ajudar quem não está nos grupos prioritários ou de risco com direito à vacina grátis pelo SUS.

Seringa com vacina contra gripe com cepa do vírus H1N1 sendo preparada para ser injetada

Se você ou pessoas da sua família pretende se proteger contra a gripe H1N1 fora da campanha de vacinação, saiba que a Sociedade Brasileira de Imunizações, SBIm, traz a lista de estabelecimentos de saúde acreditados, ou seja, que têm o reconhecimento da entidade como uma clínica idônea e com credibilidade.

≡ GRIPE H1N1 2017 – Portadores de doenças crônicas e comorbidades já podem se vacinar gratuitamente

Veja abaixo a lista dos Estados e da Capital Federal para localizar clínicas, endereços, telefones e email para contato, além do nome do diretor responsável pela unidade de imunização.

➡ GRIPE H1N1 2017 –  Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

Onde encontrar clínicas de vacinação* (ordem alfabética):

  1. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE ALAGOAS – 2017
  2. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE AMAZONAS – 2017
  3. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DA BAHIA – 2017
  4. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – DISTRITO FEDERAL – BRASÍLIA – 2017
  5. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO CEARÁ 2017
  6. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO ESPÍRITO SANTO – 2017
  7. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE GOIÁS – 2017
  8. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO MARANHÃO – 2017
  9. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE MATO GROSSO – 2017
  10. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL – 2017
  11. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE MINAS GERAIS – 2017
  12. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO PARÁ – 2017
  13. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DA PARAÍBA – 2017
  14. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO PARANÁ – 2017
  15. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE PERNAMBUCO- 2017
  16. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO PIAUÍ- 2017
  17. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO RIO DE JANEIRO – 2017
  18. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – 2017
  19. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL- 2017
  20. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE RONDÔNIA – 2017
  21. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE SANTA CATARINA – 2017
  22. CLÍNICAS DE VACINAÇÃO – ESTADO DE SÃO PAULO

 GRIPE H1N1 2017 – Lista de doenças crônicas que dão direito à vacina grátis para WhatsApp

 vale mais recomenda contatar a clínica antes para confirmar as vacinas disponíveis, assim como horário de atendimento e outros itens como carteira de vacinação, documentos e receita médica (se for o caso) etc.

Fonte: Sociedade Brasileira de Imunizações, SBIm.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por informações fornecidas ao blog com incorreções. Dados da Sociedade Brasileira de Imunizações

GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

O outono já está marcado por temperaturas mais baixas em parte do país e muita gente já começa a contrair gripe. E você, já sabe sobre a doença que pode afetar milhares de pessoas principalmente no outono e inverno? Sabe qual a diferença entre gripe e resfriado? O que fazer na gravidez? E o H1N1? Sabe como se proteger desse terrível vírus que pode até levar à morte?

➡ FEBRE AMARELA – Vacina é liberada para todas as cidades do Rio de Janeiro
➡  Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!
Vírus H1N1 em ilustração de vídeo da OMS
➡  LIBEROU GERAL – Vacina contra gripe de graça para todos a partir de segunda, 5 de junho

O ministério da Saúde preparou estas perguntas e respostas e enviou aqui para o blog vale mais, atualizadas para 2017. Vamos checar questões importantes e ter mais informação sobre a doença que é típica desta época do ano?

1 – O que é gripe ou influenza sazonal?
A influenza, também conhecida como gripe, é uma infecção do sistema respiratório cuja principal complicação são as pneumonias, responsáveis por um grande número de internações hospitalares no país.

 GRIPE H1N1 2017 – Lista de doenças crônicas que dão direito à vacina grátis para WhatsApp

2 – Qual o microrganismo envolvido?
É o vírus influenza. Existem três (3) tipos de vírus influenza: A, B e C. O vírus influenza C causa apenas infecções respiratórias brandas, não possui impacto na saúde pública e não está relacionado com epidemias.
Os vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias. Dentre os subtipos de vírus influenza A, os subtipos A (H1N1)pdm09 e A (H3N2) circulam atualmente em humanos.

3 – Quais os sintomas?
A gripe ou influenza sazonal inicia-se em geral com febre alta, seguida de:

  • dor muscular
  • dor de garganta
  • dor de cabeça
  • coriza
  • tosse seca.

A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias. Os sintomas respiratórios, como tosse, tornam-se mais evidentes com a progressão da doença e mantêm-se em geral de três a cinco dias após o desaparecimento da febre. Alguns casos apresentam complicações graves, como pneumonia, necessitando de internação hospitalar. Devido aos sintomas em comum, pode ser confundida com outras viroses respiratórias causadoras de resfriado. 

4 – Como se transmite?
A influenza pode ser transmitida de forma direta por meio das secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada ao espirrar, ao tossir ou ao falar, ou por meio indireto pelas mãos, que após contato com superfícies recentemente contaminadas por secreções respiratórias de um indivíduo infectado, podem carrear o vírus diretamente para a boca, nariz e olhos. Não há diferença de transmissão entre os tipos de influenza sazonal.

5 – Por quanto tempo os vírus influenza podem permanecer em uma superfície?
Sabemos que alguns vírus ou bactérias vivem por duas a oito (2 a 8) horas em superfícies. Lavar as mãos com frequência ajuda a reduzir as chances de se contaminar a partir dessas superfícies.

6 – Como tratar?
O tratamento dos sintomas da influenza sem complicações deve ser realizado com medicação sintomática, hidratação, antitérmico, alimentação leve e repouso. Nos casos com complicações graves, são necessárias medidas de suporte intensivo.

Atualmente, o medicamento antiviral fosfato de oseltamivir é indicado para o tratamento. Os medicamentos devem ser prescritos pelos profissionais médicos aos pacientes que apresentem condições e fatores de risco a complicações por influenza (gripe) e aos casos em que a doença já se agravou. Em caso de complicações, o tratamento será específico. É fundamental procurar atendimento nas unidades de saúde para que haja identificação precoce de risco de agravamento da doença.

7 – O que é resfriado?
O resfriado também é uma doença respiratória frequentemente confundida com a gripe, mas é causado por vírus diferentes. Os vírus mais comuns associados ao resfriado são os rinovírus, os vírus parainfluenza e o vírus sincicial respiratório (RSV), que geralmente acometem as crianças. Os sintomas do resfriado, apesar de parecidos com os da gripe, são mais brandos e duram menos tempo, entre dois e quatro dias.

Os sintomas incluem:

  • tosse
  • congestão nasal
  • coriza
  • dor no corpo
  • dor de garganta leve.

A ocorrência de febre é menos comum e, quando presente, é em temperaturas baixas. As medidas preventivas utilizadas para evitar a gripe, como a etiqueta respiratória, também devem ser adotadas para prevenir os resfriados.
Outra doença que também tem sintomas parecidos e que pode ser confundida com a gripe, é a rinite alérgica. Os principais sintomas são espirros, coriza, congestão nasal e irritação na garganta. A rinite alérgica não é uma doença transmissível e sim crônica, provocada pelo contato com agentes alergênicos (substâncias que causam alergia), como poeira, pelos de animais, poluição, mofo e alguns alimentos.

Usar lenço descartável ajuda a prevenir contra a gripe H1N1

8 – Como se prevenir da influenza?
Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, como as do vírus influenza, orienta-se que sejam adotadas medidas gerais de prevenção, chamadas de “etiqueta respiratória”, tais como:

  • Lavar e higienizar as mão com frequência, principalmente antes de consumir alimentos;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;

9 – O que as pessoas que apresentam sintomas de gripe devem fazer?

  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença (até 7 dias após o início dos sintomas);
  • Restringir ambiente de trabalho para evitar disseminação;
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;
  • Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos;

10 – Quais são os sintomas que indicam que a pessoa deve procurar imediatamente um serviço de saúde?

  • dificuldade para respirar
  • lábios com coloração azulada ou roxeada
  • dor ou pressão abdominal ou no peito
  • tontura ou vertigem
  • vômito persistente
  • convulsão.

11 – Quais os cuidados que devem ser tomados em creches?
A aglomeração de crianças em creches facilita a transmissão de influenza entre crianças susceptíveis. A melhor maneira de proteger as crianças contra influenza sazonal e potenciais complicações graves é a vacinação anual contra influenza, que é recomendada a partir de 6 meses até 5 anos.

  • Além da adoção das medidas gerais de prevenção e “etiqueta respiratória”, os cuidadores e crianças lotadas em creches devem realizar a higienização do brinquedos com água e sabão quando estiverem sujos.
  • Deve-se utilizar lenço descartável para limpeza das secreções nasais e orais das crianças. Lenços ou fralda de pano, caso sejam utilizados, devem ser trocados diariamente.
  • Deve-se lavar as mãos após contato com secreções nasais e orais das crianças, principalmente, quando ela estiver com suspeita de síndrome gripal.
  • Cuidadores devem observar se há crianças com tosse, febre e dor de garganta e informar aos pais quando apresentarem os sintomas de síndrome gripal.
  • Devem, também, notificar a secretaria municipal de saúde, caso observem um aumento do número de crianças doentes com síndrome gripal ou com absenteísmo pela mesma causa na creche;
  • O contato da criança doente com as outras deve ser evitado.
  • Recomenda-se que a criança doente fique em casa, a fim de evitar transmissão da doença.
  • Recomenda-se que a criança doente permaneça em casa por pelo menos 24 horas após o desaparecimento, sem utilização de medicamento, da febre.

12 – Quais os cuidados a serem tomados com gestantes, puérperas e recém-nascidos?
Influenza causa mais doenças graves em gestantes que em mulheres não grávidas. Mudanças no sistema imunológico, circulatório e pulmonar durante a gravidez faz com que as gestantes sejam mais propensas a complicações graves por influenza, assim como hospitalização e óbito. As gestantes com influenza também têm maiores chances de complicações da gravidez, incluindo trabalho de parto e parto prematuros.

13 – A vacinação contra influenza durante a gravidez protege a gestante, o feto e até o bebê recém-nascido até os 6 meses?

  • As gestantes devem buscar o serviço de saúde, caso apresente sintomas de síndrome gripal;
  • Durante internação e trabalho de parto, se a mulher estiver com diagnóstico de Influenza, deve-se priorizar o isolamento;
  • Se a mãe estiver doente, deve realizar medidas preventivas e de etiqueta respiratória, como a constante lavagem das mãos, principalmente para evitar transmissão para o recém-nascido;
  • A parturiente deve evitar tossir ou espirrar próximo ao bebê. O bebê pode ficar em isolamento com a mãe (evitando-se berçários).
Vacina contra gripe da campanha de vacinação do Ministério da Saúde

14 – Qual a vacina ofertada no SUS?
A vacina influenza ofertada no SUS é recomendada pela OMS, Organização Mundial da Saúde, e produzida no Brasil pelo Instituto Butatan em parceria com o laboratório privado Sanofi Pasteur. A vacina da campanha de 2017 é trivalente e protege contra os tipos de vírus A (H1N1), A(H3N2) e Influenza B, que são os de maior importância epidemiológica, de acordo com a própria OMS.

A vacina é ofertada, anualmente, durante a Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza com o objetivo de reduzir as complicações e as internações decorrentes das infecções causadas pelos vírus, nos grupos prioritários para vacinação.

Pessoas com mais de 60 anos têm direito a tomar vacina gratuitamente no SUS

15 – Qual o público alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra influenza de 2017?

  • Pessoas com 60 anos ou mais de idade;
  • Crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes;
  • Puérperas (mulheres até 45 dias após o parto);
  • Trabalhadores da saúde;
  • Povos indígenas;
  • Pessoas com comorbidade, doenças crônicas e outras condições clínicas especiais;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Professores de escolas públicas e privadas.

Este público alvo representará aproximadamente 54 milhões de pessoas. A meta é vacinar, pelo menos, 90% dos grupos elegíveis para a vacinação.

16 – Por que a campanha de vacinação é realizada anualmente e, geralmente, nos meses de abril e maio?
A influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente no outono e no inverno, quando as temperaturas caem, principalmente no Sul e Sudeste do Brasil.
A vacina é capaz de promover imunidade durante o período de maior circulação dos vírus influenza reduzindo o agravamento da doença.
No geral, a detecção de anticorpos protetores se dá entre 2 a 3 semanas após a vacinação e, em média, confere proteção de 6 a 12 meses, sendo que o pico máximo de anticorpos ocorre após 4 a 6 semanas da vacinação.
Por esse motivo, a vacinação é anual e busca proteger a população alvo da campanha contra as cepas que mais circularam no hemisfério sul, no ano anterior.

GRIPE H1N1 – Vacinação gratuita começa dia 17 em todo o país

GRIPE H1N1 – Saiba como se prevenir e se cuidar

 

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por informações que chegam ao blog com incorreções.Informações oficiais do Ministério da Saúde enviadas ao blog em 3 de maio de 2017.

GRIPE H1N1 – Encontre clínicas de vacinação em 20 Estados do país e no Distrito Federal

O frio tá apertando e quem não se vacinou na campanha de vacinação contra a gripe H1N1 do Ministério da Saúde pode recorrer às clínicas de vacinação particulares.

Vacinas quadrivalente contra gripe com cepas do vírus H1N1 para crianças e adultos
Vacinas quadrivalente da Sanofi Pasteur contra gripe com cepas do vírus H1N1 para crianças e adultos

É, tem muita gente espirrando e tossindo,  o que ajuda ainda mais a tornar o ambiente propício para transmissão da Influenza, popularmente conhecida como gripe H1N1.

vale mais traz aqui 20 Estados do país, mais Brasília, no Distrito Federal, onde há clínicas de vacinação acreditadas pela SBIm, Sociedade Brasileira de Imunizações, entidade que verifica a idoneidade e credibilidade desses estabelecimentos de saúde particulares.

Caixa com vacina trivalente contra gripe com cepas do vírus H1N1 produzida pela indústria farmacêutica Abbot
Caixa com vacina trivalente contra gripe com cepas do vírus H1N1 produzida pela indústria farmacêutica Abbott

≡ GRIPE H1N1 – 10 perguntas e respostas sobre a vacina

Cheque abaixo o Estado do país onde se encontra e clique para poder localizar cidades, endereços, telefones, email e até site das clínicas particulares agregadas na SBIm.

Onde encontrar clínicas de vacinação* (ordem alfabética):

  1. Clínicas de vacinação em Alagoas
  2. Clínicas de vacinação no Amazonas
  3. Clínicas de vacinação na Bahia
  4. Clínicas de vacinação em Brasília (Distrito Federal)
  5. Clínicas de vacinação no Ceará
  6. Clínicas de vacinação no Espírito Santo
  7. Clínicas de vacinação em Goiás
  8. Clínicas de vacinação no Maranhão
  9. Clínicas de vacinação no Mato Grossso
  10. Clínicas de vacinação no Mato Grossso do Sul
  11. Clínicas de vacinação em Minas Gerais
  12. Clínicas de vacinação no Pará
  13. Clínicas de vacinação na Paraíba
  14. Clínicas de vacinação no Paraná
  15. Clínicas de vacinação em Pernambuco
  16. Clínicas de vacinação no Piauí
  17. Clínicas de vacinação no Rio de Janeiro
  18. Clínicas de vacinação no Rio Grande do Norte
  19. Clínicas de vacinação no Rio Grande do Sul
  20. Clínicas de vacinação em Santa Catarina
  21. Clínicas de vacinação na Grande São Paulo – inclui capital

          Clínicas de vacinação Interior e Litoral do Estado de São Paulo

As vacinas contra gripe H1N1 e contra outras doenças ficam conservadas em geladeira apropriada
As vacinas contra gripe H1N1 e contra outras doenças ficam conservadas em geladeira apropriada

 ATENÇÃO: vale mais recomenda telefonar e/ou consultar o site da clínica, se houver, para confirmar as vacinas disponíveis, assim como horário de atendimento e outros itens como carteira de vacinação, documentos e receita médica (se for o caso) etc.

Fonte: Sociedade Brasileira de Imunizações, SBIm.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por informações fornecidas ao blog com incorreções.

 

GRIPE H1N1 – Como e quando lavar as mãos corretamente para evitar contágio

A gripe H1N1 não dá folga! E uma das principais formas de prevenção do contágio desse terrível vírus de gripe _que pode levar à morte_ é a higienização correta das mãos.

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), que reúne especialistas em infectologia, alerta para que todos redobrem seus cuidados nestes tempos de influenza.

Lavar as mãos com frequência é uma das medidas de prevenção contra a gripe H1N1, foto do U.S. Department of Agriculture, fevereiro de 2006
Lavar as mãos com frequência é uma das medidas de prevenção contra a gripe H1N1, foto do U.S. Department of Agriculture, fevereiro de 2006

Recomenda  “cinco mandamentos” para manter as mãos limpas e se proteger contra doenças infecciosas. A Organização Mundial da Saúde, OMS, até criou uma data para isso, 5 de maio, para lembrar a ação.

Afinal, lavar as mãos é simples, barato e traz ganhos de prevenção incalculáveis.

Ah, você pode copiar e colar no seu WhatsApp e enviar mensagens para seus amigos e familiares para que todos saibam se proteger contra a terrível gripe.

Logo whatsapp Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲 . Crie um contato para vale mais  no número  011 9 9985-3577 e envie a frase Eu quero no WhatsApp. Pronto! 

Tá fácil!

Conheça os 5 “mandamentos”:

1º) Lave as mãos sempre antes das refeições para evitar a auto-contaminação;

2º) Higienize as mãos também antes e depois de ir ao banheiro;

3º) Não se esqueça de lavar as mãos após tossir ou espirrar sobre elas (lembrando que o ideal é proteger as secreções com o antebraço e não com as mãos, de acordo com a “etiqueta antigripe” sugerida pelos médicos, pois a mão acaba sendo um agente de contaminação poderoso, por tocarmos com frequência em pessoas, lugares e objetos).

4º) Não deixe de higienizar as mãos após usar o transporte público (ônibus, trem e metrô), mexer com dinheiro e ao sair locais de serviços de saúde, como postos e hospitais.

5º) Ao chegar em casa, faça deixe suas mãos limpas para proteger o ambiente e a família de agentes infecciosos, que podem tê-las contaminado na rua.

Imagem bacana de higienização das mãos para enviar por WhatsApp para amigos! De gea79on, julho de 2012
Imagem bacana de higienização das mãos para enviar por WhatsApp para amigos! De gea79on, julho de 2012

Passo a passo para lavar as mãos com água e sabão

1 – Tire anéis e pulseiras;

2 – Molhe as mãos e aplique o sabão;

3 – Esfregue a palma e o dorso das mãos, os dedos e os pulsos;

4 – Atenção às pontas dos dedos: esfregue-as as pontas de uma mão na palma da outra e vice-versa, para limpar sob as unhas;

5 – Enxague bem as mãos;

6 – Seque com toalha de papel ou de tecido (se for em casa).

Álcool gel

Se estiver na rua e não for possível lavar as mãos, faça uso de álcool gel (70%) que normalmente é oferecido nos estabelecimentos. Se for possível, leve um pequeno frasco com você.

A higienização das mãos – seja ao lavá-las com água e sabão, seja com o uso do álcool gel (70%) no dia a dia – evita a contaminação por diversas doenças infectocontagiosas como as gripes, as viroses, conjuntivites e problemas gastrointestinais, por exemplo.

Para quem não sabe, a sujeira nas mãos é uma das mais significativas fontes de autocontaminação, com agentes infecciosos que se espalham por meio do contato.

“Importante lembrar que lavar as mãos com água e sabão ou ao usar o álcool gel é a medida mais custo-efetiva (mais econômica) para combater as infecções relacionadas aos serviços de saúde, mas também para garantir a saúde e qualidade de vida da população no dia a dia”, afirma a médica infectologista Carla Sakuma Oliveira, coordenadora do Comitê de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

Carla explica que o ideal é usar água e sabão, mas se não for possível, o uso de álcool gel (70%), oferecido em estabelecimentos ou que as pessoas levam na bolsa, é eficiente para barrar os germes.

Segundo ela, é fundamental criar o hábito de higienizar as mãos. “A palma das mãos é um lugar, assim como os dedos e sob as unhas, que carrega muitos agentes infecciosos.

Como as pessoas tem o hábito de levar as mãos ao rosto com frequência, é importante mantê-las limpas ao sair do transporte público, dos serviços de saúde e depois de mexer com dinheiro, por exemplo.          

vale mais recomenda procurar o médico da empresa de onde você trabalha, do convênio ou de uma Unidade Básica de Saúde em casa de sintomas ou se estiver em dúvidas.

≡ GRIPE H1N1 – Como se prevenir e se cuidar

Importante saber mais:

≡ GRIPE H1N1 – Saiba a diferença entre as vacinas trivalente e tetravalente

≡   SAÚDE – Vacinação contra gripe H1N1 começa dia 11 em SP

≡   GRIPE H1N1 – Onde encontrar clínicas de vacinação em todo o país

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de informações e informações transmitidas ao blog com imprecisões. Imagens com licença Creative Commons.