Arquivo da tag: Qualidade de vida

FEBRE AMARELA – Como vai ser a vacinação que começa dia 29 no ESP

A campanha de vacinação contra a febre amarela foi antecipada para o Estado de São Paulo: começa em 29 de janeiro próximo (segunda-feira)e termina em 17 de fevereiro. Por causa do avanço de casos, 54 cidades irão receber as vacinas fracionadas pois são consideradas receptivas para a doença (lista no final do post).

A vacinação contra febre amarela foi antecipada para o dia 29 de janeiro no Estado de São Paulo

O Ministério da Saúde anunciou ontem que as doses da vacina serão fracionadas, ou seja, as pessoas irão receber um quinto da dose normal, o que, segundo o governo, protege por oito anos.

Mosquito do gênero Sabethes, transmissor da febre amarela em áreas rurais do Brasil

Cerca de 8,3 milhões de pessoas deverão se vacinar, calcula o Ministério da Saúde _6,3 milhões com a dose fracionada e 2 milhões com a padrão.

No Rio de Janeiro, 7,7 milhões de pessoas deverão receber a dose fracionada e 2,4 milhões a padrão em 15 municípios (veja lista completa no final do post).

Na Bahia,  2,5 milhões de pessoas serão vacinadas com a dose fracionada e 813 mil com a dose padrão em oito municípios (veja lista completa no final do post).

Nesses dois Estados, Rio de Janeiro e Bahia, a campanha vai de 19 de fevereiro a 9 de março. O Dia D da vacina será 24 de fevereiro.

Como será no Estado de São Paulo:

Na capital, a campanha visa imunizar 2,5 milhões de pessoas que residem em distritos previamente definidos das zonas Leste e Sul (Capão Redondo, Cidade Tiradentes, Grajaú , São Mateus, entre outros).

As metas de vacinação contra febre amarela para os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia

As carteiras de vacinação terão um selo especial para informar que a dose aplicada foi a fracionada.

Cerca de 6,3 milhões de doses da vacina fracionada serão disponibilizadas para as pessoas ainda não imunizadas que residem nos locais definidos pela campanha. Quem já tomou uma dose da vacina, mesmo se fizer parte destes municípios incluídos na campanha (veja lista abaixo), não precisará se vacinar novamente.

A vacina aplicada até o momento (dose padrão) tem validade para a vida toda, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

Mosquito do gênero Haemagogus que pode transmitir a febre amarela em site do Ministério da Saúde

A campanha também prevê a oferta de 2 milhões de doses padrão (5 ml) que serão disponibilizadas para crianças com idade entre nove meses e dois anos incompletos, pessoas que viajarão para países com exigência da vacina, grávidas residentes em áreas de risco e portadores de doenças crônicas – como diabéticos, cardiopatas e renais crônicos, por exemplo.

IMPORTANTE: Deverão consultar o médico sobre a necessidade da vacina os portadores de HIV positivo, pacientes com tratamento quimioterápico concluído, transplantados, hemofílicos ou pessoas com doenças do sangue e de doença falciforme.

Não há indicação de imunização para grávidas que morem em locais sem recomendação para vacina, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e imunodeprimidos, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas (como por exemplo Lúpus e Artrite Reumatoide). Em caso de dúvida, é fundamental consultar o médico.

Nas demais áreas do Estado de São Paulo onde já há vacinação em razão da circulação do vírus a imunização seguirá com a vacina padrão.

Entenda a vacina padrão e fracionada

Como será a vacinação no Estado de São Paulo

Alguns públicos não são indicados para receber a dose fracionada, portanto irão participar da campanha recebendo a dose padrão: crianças de 9 meses a menores de dois anos; pessoas com condições clínicas especiais (vivendo com HIV/Aids, ao final do tratamento de quimioterapia, pacientes com doenças hematológicas, entre outras), gestantes e viajante internacional (devem apresentar comprovante de viagem no ato da vacinação).

A vacinação fracionada é recomendada para pessoas a partir dos dois anos.

A vacina contra febre amarela é contraindicada para pacientes em tratamento de câncer, pessoas com imunossupressão e pessoas com reação alérgica grave à proteína do ovo.

No caso dos idosos, a vacinação deverá ser aplicada após avaliação dos serviços de saúde. Se você e sua família têm um médico que o acompanham regularmente, é bom consultá-lo antes da imunização.

Quem recebe a vacina não pode doar sangue por um período de quatro semanas. As pessoas devem realizar a doação de sangue antes da vacinação para manutenção dos estoques de hemocomponentes.

DOSE FRACIONADA

Vacina contra a febre amarela, que será fracionada para várias cidades

Atualmente o Ministério da Saúde utiliza a dose padrão da vacina de febre amarela com 0,5 ml. Para a dose fracionada é aplicado 0,1 ml, o que representa 1/5 da dose padrão.

Estudo recente feito pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz) comprovou que a dose fracionada da vacina de febre amarela é eficaz por, pelo menos, 8 anos.

O estudo de dose resposta avaliou 319 militares vacinados com a dose fracionada em 2009 e, após 8 anos, verificou-se a presença de anticorpos contra a doença em 85,3% dos participantes, semelhantes ao observado com a dose padrão neste mesmo período (88%).

Veja a lista de cidades com aplicação da vacina com dose fracionada:

ESTADO DE SÃO PAULO:

APARECIDA – ARAPEÍ – AREIAS – BAN… Continue lendo FEBRE AMARELA – Como vai ser a vacinação que começa dia 29 no ESP

Anúncios

VIDA SAUDÁVEL – SUS oferece meditação para auxiliar a saúde

Trocar a euforia do dia a dia pela calmaria, descansar mente e corpo e controlar a emoção são alguns dos benefícios de uma técnica milenar que chegou ao Sistema Único de Saúde (SUS). Estamos falando da meditação. Melhor: qualquer pessoa pode fazer. Ela estimula a concentração, reduz a depressão e a hiperatividade e faz com que o praticante se cuide mais.

Meditação, foto de Sammya Alves

A psicóloga Nara Moraes coordena duas turmas de meditação na Unidade Básica de Saúde (UBS) Celeste, em Campo Bom, cidade do interior do Rio Grande do Sul. Para ela, independentemente de serem ou não doentes, as pessoas podem buscar alguma das práticas integrativas para melhorar a qualidade de vida. “Não vamos esperar que tenhamos problema de memória e estresse. Vamos trabalhar a prevenção. Esse é nosso objetivo com a meditação”, orienta.

Nara Moraes explica que a meditação é um processo de tratamento e de cura, dependendo do hábito criado pelo praticante. Os benefícios são gradativos, não são de uma sessão para outra, mas podem ser rápidos sim. “O principal é o autoconhecimento. Conectar-se consigo próprio. Isso vai facilitar a conexão com o outro também”, ensina a psicóloga.

Prática integrativa

Em uma das visitas à UBS de Campo Bom, a dona Hilária Sulzbach viu um cartaz que convidava para conhecer a meditação. Foi a primeira vez e nunca mais parou. Aprendeu a meditar em casa, inclusive. “Eu dormia mal, era ansiosa, sempre muito preocupada em fazer as coisas. Agora me sinto calma. É um tratamento sem remédio, que pode levar algum tempo, mas é muito bom”, relata.

Desde março de 2017, a meditação e outras técnicas que promovem a saúde, e assim evitando doenças, foram incorporadas nos serviços oferecidos pelo SUS.  A psicóloga Nara e o médico Charles Genehr, já começaram a trabalhar com a meditação como ferramenta de promoção à saúde.

Defensor da prática, Charles esclarece que o atendimento na unidade é para apresentar os métodos e guiar os pacientes, mas cabe a cada um colocar a mediação como hábito e, se possível, fazer ao menos 15 minutos todos os dias. “A mente não pode se alimentar uma vez por semana, somente”.

Menina medita em ambiente tranquilo da natureza

O médico lembra que o estresse está envolvido com 80% das doenças e a medicação é excelente para combater esses casos. “Um estudo de Harvard mostra que a meditação foi capaz de reduzir 40% das consultas médicas. As pessoas precisam ter ciência do potencial da meditação para a condição de saúde da população”, ressalta.

Benefícios da Meditação

  • Reduz a ansiedade
  • Combate a depressão e o estresse
  • Melhora na qualidade do sono
  • Evolução na concentração, atenção e memória
  • Melhora a respiração

Neste vídeo, a monja Coen ensina a meditar em casa:

Saúde gera saúde
A meditação é uma das práticas integrativas mais pesquisadas no mundo. “Ela é promotora da saúde, atua como ferramenta de conhecimento das próprias emoções, do controle do estresse, e do autoconhecimento. Isso gera diversos benefícios para o praticante, como o controle da hipertensão arterial, da ansiedade, depressão, inclusive de dor crônica”, reforça o consultor técnico do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde Daniel Amado.

De acordo com Daniel, pesquisas têm apontado que um praticante frequente de meditação também adquire outros hábitos saudáveis. “Ele costuma se preocupar mais consigo, perceber as coisas que lhe fazem mal e adotar práticas de alimentação saudável e de atividade física”. O técnico reforça que meditação tem baixo custo e a reprodução das experiências é muito rápida.

Se na sua cidade não tiver nenhuma unidade de saúde que ofereça a meditação ou outras práticas integrativas, entre em contato com a gestão de saúde local e diga que tem interesse. Cabe aos municípios, com apoio dos Estados e do Ministério da Saúde, implementarem este tipo de serviço.

 ❤ Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número  
011 9 9985-3577 e
envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto!

Qualidade de vida

Em 2015, a analista administrativa Juliana Morais ouviu do médico que os sintomas da síndrome do intestino irritado que ela sentia eram muito mais emocionais. Então, ela resolveu aceitar o convite de uma amiga para meditar, no lugar de usar medicação.

“Eu achei que aquilo fosse impossível, porque eu não conhecia nada sobre a prática. Mas eu também sabia que poderia ser uma alternativa para que eu não tomasse remédio por causa da síndrome. Nunca tinha meditado, o grau que eu me encontrava emocionalmente fazia com que eu achasse impossível ficar 30 minutos ali parada. Fiz e achei o máximo, me senti muito bem. Hoje eu pratico todos os dias”, relata.

Com a prática, Juliana se livrou da síndrome e ganhou qualidade de vida. “Meditação é qualidade de vida, é você aprender a olhar para si, a respirar antes de tomar alguma atitude, de fazer algum comentário. Eu super indico para todas as pessoas. Foi um divisor de águas. Existe uma Juliana antes da meditação e uma depois”, destaca.

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções; links rompidos ou inexistentes; informações enviadas com incorreções. Imagens dos sites das empresas citadas. Com o blog Saúde e fotos Pixabay.

BOA NOTÍCIA – Meninos de 11 a 15 anos incompletos podem se vacinar gratuitamente contra HPV

Boa notícia: a partir de agora, a vacina contra HPV passa a ser ofertada para pré-adolescentes e adolescentes do sexo masculino de 11 até 15 anos incompletos (14 anos, 11 meses e 29 dias). Também terão direito homens e mulheres transplantados e oncológicos em uso de quimioterapia e radioterapia. Além disso, cerca 200 mil crianças e jovens, de ambos os sexos, de 9 a 26 anos vivendo com HIV/aids, também podem se vacinar contra HPV. O anúncio das mudanças foi feito ontem pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Meninos entre 11 e 15 anos incompletos podem se vacinar contra HPV (Foto Agência Brasil)

A ampliação da faixa etária na população masculina pelo Ministério da Saúde já foi comunicada às secretarias estaduais de saúde de todo o país. Tem como objetivo proteger mais cerca de 3,3 milhões de adolescentes.

 Vem curtir vale mais no Facebook para ficar sempre atualizado!

A vacina contra o HPV para os meninos passou a ser disponibilizada no SUS em janeiro deste ano para meninos de 12 até 13 anos. Até o ano passado, era feita apenas em meninas.

O Ministério da Saúde informa que a meta para 2017 é vacinar 80% dos 7,1 milhões de meninos de 11 a 15 anos e 4,3 milhões de meninas de 9 a 15 anos.

O ministro afirmou que uma das principais ações para alcançar essa meta é o Programa Saúde na Escola, parceria do Ministério da Saúde com o Ministério da Educação. “É um de nossos grandes aliados nessa frente. Com esse projeto, estamos convocando toda a comunidade escolar, pais e educadores, a atualizarem as cadernetas de vacinação destes jovens”, afirmou o ministro.

Os efeitos da vacina contra HPV em anúncio do Ministério da Saúde

Como exemplo bem sucedido desta iniciativa, o ministro citou o Estado de Santa Catarina e o município de Niterói que conseguiram, por meio de uma ampla mobilização nas escolares, ampliarem as coberturas vacinais contra o HPV.

Para conscientizar os meninos na busca da vacina, o Ministério da Saúde planeja, para o próximo mês de julho, período de férias escolares, campanha direcionada a este público, com o intuito de aumentar a cobertura nessa população. Além disso, a vacina de HPV também fará parte do elenco de vacinas a serem ofertadas na Campanha de multivacinação que acontecerá no período de 11 a 22 de setembro. O Dia D da campanha de vacinação será dia 16 de setembro.

Esquema da vacina contra HPV – Meninos e meninas devem tomar duas doses da vacina HPV com intervalo de seis meses entre elas. Para as pessoas que vivem com HIV, a faixa etária é mais ampla (9 a 26 anos) e o esquema vacinal é de três doses (intervalo de 0, 2 e 6 meses). No caso dos portadores de HIV, é necessário apresentar prescrição médica.

Anúncio do governo federal da ampliação da faixa etária da vacinação contra HPV

A vacina disponibilizada no SUS é a quadrivalente e já é ofertada, desde 2014, para as meninas. Confere proteção contra quatro subtipos do vírus HPV (6, 11, 16 e 18), com 98% de eficácia para quem segue corretamente o esquema vacinal.

Para os meninos, a estratégia tem como objetivo proteger contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV. A definição da faixa etária para a vacinação visa proteger meninos e meninas antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus. Vale ressaltar que os cânceres de garganta e de boca são o 6º tipo de câncer no mundo, com 400 mil casos ao ano e 230 mil mortes. Além disso, mais de 90% dos casos de câncer anal e orofaringe são atribuíveis à infecção pelo HPV.

Nas meninas, o principal foco da vacinação é proteger contra o câncer de colo do útero, vulva, vaginal e anal; lesões pré-cancerosas; verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus. O HPV é transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto.

Receba as boas notícias de vale mais no celular 📲.
Salve o número 011 9 9985-3577 e envie a frase Eu Quero no WhatsApp. Pronto! 
➡  GRIPE H1N1 2017 – Sintomas e prevenção em 16 perguntas e respostas

vale mais

 Boas notícias de como curtir coisas boas com pouca ou nenhuma grana  

 vale mais não se responsabiliza por alterações de preços; ausência de produtos em lojas físicas, comércio online, estoques e tampouco durante promoções. Com Ministério da Saúde e Agência Brasil.